Novo Banco rejeita ser “arma de arremesso político”. Banco disponível para esclarecer tudo

Administração liderada por António Ramalho responde à polémica. Não aceita que Novo Banco seja usado como "arma de arremesso político e em "manobras político-mediáticas". Quer esclarecer tudo.

Injeções milionárias, bónus de milhões aos administradores, disparo nos salários dos gestores em anos de prejuízos avultados. As polémicas do Novo Banco continuam a marcar a agenda. Em silêncio até hoje, o conselho de administração liderada por António Ramalho faz agora a sua defesa e a do banco. Não aceita e lamenta que o bom nome da instituição seja usado “arma de arremesso político” e em “manobras político-mediáticas”. E responde aos deputados dizendo que, apesar de ser dos bancos mais escrutinados, está disponível para esclarecer “tudo” no Parlamento.

“O conselho de administração do Novo Banco não aceita e lamenta profundamente que o bom nome da instituição continue a ser usado como arma de arremesso político e/ou manobras político-mediáticas”, diz a gestão do banco em comunicado divulgado esta quinta-feira.

Acrescenta que o “Novo Banco é seguramente uma das entidades bancárias mais escrutinadas, tanto a nível nacional como a nível europeu”, razão pela qual não percebe toda a polémica que se gerou à volta da instituição nos últimos dias.

António Ramalho sublinha que se os deputados mantêm as dúvidas em relação à forma como o Novo Banco teve origem e é atualmente gerido, “como transpareceu, uma vez mais, do debate parlamentar” desta quarta-feira, “devem procurar, através de todas as iniciativas (…) que estão nas suas atribuições, apurar tudo o que quiserem”. “O Novo Banco está disponível para tudo esclarecer”, frisa.

O banco diz que quebra agora o silêncio porque “não pode continuar a assistir a constantes manobras que só prejudicam a sua atividade, perturbam o esforço de recuperação duramente realizado por milhares de colaboradores”.

"O conselho de administração do Novo Banco não aceita e lamenta profundamente que o bom nome da instituição continue a ser usado como arma de arremesso político e/ou manobras político-mediáticas.”

Novo Banco

Conselho de administração

Esta quarta-feira, o Novo Banco voltou a marcar o debate quinzenal no Parlamento, com vários deputados a criticarem a forma como o banco está a ser gerido e que tem levado a injeções milionárias do Fundo de Resolução ano após ano para cobrir os prejuízos. Até hoje, o Novo Banco já recebeu quase 3.000 milhões de euros por conta dos prejuízos acumulados desde 2017, ao abrigo do mecanismo de capital contingente.

Rui Rio questionou o Governo se consegue assegurar que a venda de ativos tóxicos está a ser bem feita e se não estão a ser feitos negócios de favor no Novo Banco. O líder do PSD considerou ainda que o caso BES é “o maior crime de colarinho branco em Portugal”.

Catarina Martins também lançou dúvidas sobre a venda de ativos do Novo Banco e perguntou se o Estado poderá ser reembolsado do dinheiro que já injetou caso a auditoria da Deloitte vier a detetar má gestão no banco. António Costa respondeu que sim. Pelo meio, também foram lançadas críticas aos prémios e aumentos salariais aos gestores do banco, durante anos de prejuízos.

Toda a questão em torno do banco foi levantada depois de mais uma injeção de 1.035 milhões de euros, que obrigou a um empréstimo de 850 milhões do Tesouro ao Fundo de Resolução que foi autorizado pelo Ministério das Finanças sem dar conhecimento ao primeiro-ministro. António Costa tinha-se comprometido junto de Catarina Martins a efetuar o pagamento apenas depois de conhecidos os resultados da auditoria especial, mas tal não veio a acontecer.

(Notícia atualizada às 11h19)

O ECO recusou os subsídios do Estado. Contribua e apoie o jornalismo económico independente

O ECO decidiu rejeitar o apoio público do Estado aos media, porque discorda do modelo de subsidiação seguido, mesmo tendo em conta que servirá para pagar antecipadamente publicidade do Estado. Pelo modelo, e não pelo valor em causa, cerca de 19 mil euros. O ECO propôs outros caminhos, nunca aceitou o modelo proposto e rejeitou-o formalmente no dia seguinte à publicação do diploma que formalizou o apoio em Diário da República. Quando um Governo financia um jornal, é a independência jornalística que fica ameaçada.

Admitimos o apoio do Estado aos media em situações excecionais como a que vivemos, mas com modelos de incentivo que transfiram para o mercado, para os leitores e para os investidores comerciais ou de capital a decisão sobre que meios devem ser apoiados. A escolha seria deles, em função das suas preferências.

A nossa decisão é de princípio. Estamos apenas a ser coerentes com o nosso Manifesto Editorial, e com os nossos leitores. Somos jornalistas e continuaremos a fazer o nosso trabalho, de forma independente, a escrutinar o governo, este ou outro qualquer, e os poderes políticos e económicos. A questionar todos os dias, e nestes dias mais do que nunca, a ação governativa e a ação da oposição, as decisões de empresas e de sindicatos, o plano de recuperação da economia ou os atrasos nos pagamentos do lay-off ou das linhas de crédito, porque as perguntas nunca foram tão importantes como são agora. Porque vamos viver uma recessão sem precedentes, com consequências económicas e sociais profundas, porque os períodos de emergência são terreno fértil para abusos de quem tem o poder.

Queremos, por isso, depender apenas de si, caro leitor. E é por isso que o desafio a contribuir. Já sabe que o ECO não aceita subsídios públicos, mas não estamos imunes a uma situação de crise que se reflete na nossa receita. Por isso, o seu contributo é mais relevante neste momento.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Novo Banco rejeita ser “arma de arremesso político”. Banco disponível para esclarecer tudo

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião