Menos impostos e trabalho mais flexível. Cotrim Figueiredo pede ao Governo que aproveite a retoma para reformas

Líder do Iniciativa Liberal encontrou-se com o primeiro-ministro António Costa para falar sobre a reabertura da economia, na fase pós-Covid.

O líder do Iniciativa Liberal, João Cotrim Figueiredo, pediu ao Governo que aproveite a abertura gerada pela pandemia para implementar reformas económicas. Num encontro em que discutiu com o primeiro-ministro António Costa o programa de estabilização económica e social, o deputado defendeu menos impostos e flexibilização dos contratos de trabalho.

“Estamos perante uma crise profunda e grave. A duração da crise vai depender da nossa resposta e a nossa resposta tem de preparar o país para conseguir reagir agilmente, flexivelmente, não só aos perigos e às ameaças, mas também às oportunidades que dentro deste contexto se vão apresentar aos portugueses. Tivemos ocasião de transmitir ao senhor primeiro-ministro que é fundamental, do nosso ponto de vista, que se aproveite esta oportunidade e este momento em que as pessoas estão mais abertas a mudar”, afirmou o deputado, em declarações transmitidas pelas televisões.

O liberal explicou que as projeções do Governo apontam para uma queda do PIB de cerca de 7% e um agravamento do saldo orçamental na ordem de 6,5% face à estimativa anterior ao vírus. Para impulsionar a retoma da economia, Cotrim Figueiredo considera que é necessária simplificação dos vários instrumentos financeiros tanto de base nacional como europeia. Propôs ainda a flexibilização de contratos de trabalho para que o teletrabalho possa ser mantido, revisão do regime fiscal e ainda reformas do sistema de justiça, em especial os processos de insolvência.

“Estamos particularmente preocupados que uma retoma não signifique um regresso ao ponto onde estávamos antes desta crise ocorrer porque a posição da Iniciativa Liberal é que o ponto em que estávamos não era suficiente para assegurar crescimento económico capaz de gerar oportunidades suficientemente interessantes e numerosas para todos os portugueses. Portanto temos de encarar esta retoma como uma oportunidade de fazer diferente: criar uma economia mais ágil e mais dinâmica“, acrescentou.

O primeiro-ministro, António Costa, começou esta segunda-feira a receber os partidos com representação parlamentar na residência oficial, em São Bento. Já apresentou a proposta de programa de estabilização económica e social decorrente da pandemia de Covid-19 ao PCP, PEV, BE, PAN, CDS-PP e Iniciativa Liberal. Vai ainda receber esta terça-feira PS, PSD e Chega.

O jornalismo continua por aqui. Contribua

Sem informação não há economia. É o acesso às notícias que permite a decisão informada dos agentes económicos, das empresas, das famílias, dos particulares. E isso só pode ser garantido com uma comunicação social independente e que escrutina as decisões dos poderes. De todos os poderes, o político, o económico, o social, o Governo, a administração pública, os reguladores, as empresas, e os poderes que se escondem e têm também muita influência no que se decide.

O país vai entrar outra vez num confinamento geral que pode significar menos informação, mais opacidade, menos transparência, tudo debaixo do argumento do estado de emergência e da pandemia. Mas ao mesmo tempo é o momento em que os decisores precisam de fazer escolhas num quadro de incerteza.

Aqui, no ECO, vamos continuar 'desconfinados'. Com todos os cuidados, claro, mas a cumprir a nossa função, e missão. A informar os empresários e gestores, os micro-empresários, os gerentes e trabalhadores independentes, os trabalhadores do setor privado e os funcionários públicos, os estudantes e empreendedores. A informar todos os que são nossos leitores e os que ainda não são. Mas vão ser.

Em breve, o ECO vai avançar com uma campanha de subscrições Premium, para aceder a todas as notícias, opinião, entrevistas, reportagens, especiais e as newsletters disponíveis apenas para assinantes. Queremos contar consigo como assinante, é também um apoio ao jornalismo económico independente.

Queremos viver do investimento dos nossos leitores, não de subsídios do Estado. Enquanto não tem a possibilidade de assinar o ECO, faça a sua contribuição.

De que forma pode contribuir? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

Obrigado,

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Menos impostos e trabalho mais flexível. Cotrim Figueiredo pede ao Governo que aproveite a retoma para reformas

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião