Juros da dívida deslizam com fundo de recuperação. Taxa de Portugal abaixo da espanhola

Juros da dívida da periferia estão em queda no dia em que a Comissão Europeia apresenta o fundo de recuperação da economia. Taxa portuguesa recua para valores abaixo da espanhola.

Dia de descompressão no mercado da dívida, com os juros dos países do Sul da Europa em queda perante a apresentação do fundo de recuperação da Comissão Europeia: terá o valor de 750 mil milhões, como revelou o comissário italiano Paolo Gentiloni. A taxa da dívida portuguesa já está abaixo da espanhola.

A yield associada às obrigações de Portugal a dez anos, o prazo de referência, cede quase cinco pontos base para 0,651%, o valor mais baixo desde o final de março, de acordo com a agência Reuters.

Já a taxa da dívida espanhola na mesma maturidade também segue em queda de 4,4 pontos bases, mas transaciona agora nos 0,653%, acima da taxa portuguesa. Na teoria, isto significa que os investidores colocam Espanha como país mais arriscado do que Portugal no que toca em investimento em dívida pública.

Em Itália também o juro a dez anos está a cair: 5,3 pontos base para 1,5%, naquele que é o valor mais baixo desde 9 de abril.

Juros portugueses abaixo dos espanhóis

Fonte: Reuters

Esta manhã, Paolo Gentiloni adiantou no Twitter que a Comissão Europeia apresentará um fundo de recuperação para a economia europeia pós-Covid no valor de 750 milhões de euros. “É um ponto de viragem europeu para enfrentar uma crise sem precedentes”, escreveu o político italiano na rede social.

De acordo com o Politico, os 750 mil milhões de euros dividem-se entre 500 mil milhões de euros distribuídos através de subvenções (a fundo perdido) — o que vai ao encontro da proposta franco-alemã — e 250 mil milhões de euros através de empréstimos.

Quanto vale uma notícia? Contribua para o jornalismo económico independente

Quanto vale uma notícia para si? E várias? O ECO foi citado em meios internacionais como o New York Times e a Reuters por causa da notícia da suspensão de António Mexia e João Manso Neto na EDP, mas também foi o ECO a revelar a demissão de Mário Centeno e o acordo entre o Governo e os privados na TAP. E foi no ECO que leu, em primeira mão, a proposta de plano de recuperação económica de António Costa Silva.

O jornalismo faz-se, em primeiro lugar, de notícias. Isso exige investimento de capital dos acionistas, investimento comercial dos anunciantes, mas também de si, caro leitor. A sua contribuição individual é relevante.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Juros da dívida deslizam com fundo de recuperação. Taxa de Portugal abaixo da espanhola

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião