Preços deverão cair 8,4%. Imobiliário pede IVA a 6% e reforço dos vistos gold

Antecipando uma descida de 8,4% nos preços, os promotores imobiliários defendem que, para que o mercado possa recuperar da crise, devem ser implementadas certas medidas, como reduções nos impostos.

O imobiliário foi um dos setores atingidos pela crise provocada pelo coronavírus e a maioria acredita que uma recuperação só será possível a partir do próximo ano. Mas, para que essa retoma aconteça mais fácil e rapidamente, o setor defende que devem ser implementadas algumas medidas, entre as quais descontos em alguns impostos e uma aposta no mercado internacional.

Os impactos estão a ser sentidos e, no que toca a preços, já se notaram descidas nos últimos meses e vão continuar a notar nos próximos 12 meses, concluiu o Portuguese Investment Property Survey, realizado pela Confidencial Imobiliário. Os promotores imobiliários acreditam que os preços deverão cair 8,4%, enquanto as transações reduzir-se-ão em 15,7%.

Contudo, mesmo com esses efeitos, a maioria dos promotores não tem intenções de parar os projetos já em construção e são poucos aqueles que pretendem diminuir o preço de venda para manter a procura. Em vez disso, a estratégia passará por recorrer a visitas virtuais aos imóveis e atrasar os projetos que ainda estão em licenciamento.

Analisando todos os impactos, concluiu o inquérito, o quadro económico é visto como o principal obstáculo ao setor, mas também a burocracia nos processos de licenciamento. Mas, para além disso, os promotores acreditam que devem ser adotadas medidas que permitirão facilitar e acelerar a recuperação do mercado imobiliário.

Assim, defendem que uma descida do IVA da construção para os 6% é, neste momento, a medida mais importante, bem como o relançamento do programa dos vistos gold, de forma a atrair investimento estrangeiro. Além disso, os promotores pedem mais isenções temporárias de alguns impostos e a possibilidade de realizar escrituras online.

Quanto vale uma notícia? Contribua para o jornalismo económico independente

Quanto vale uma notícia para si? E várias? O ECO foi citado em meios internacionais como o New York Times e a Reuters por causa da notícia da suspensão de António Mexia e João Manso Neto na EDP, mas também foi o ECO a revelar a demissão de Mário Centeno e o acordo entre o Governo e os privados na TAP. E foi no ECO que leu, em primeira mão, a proposta de plano de recuperação económica de António Costa Silva.

O jornalismo faz-se, em primeiro lugar, de notícias. Isso exige investimento de capital dos acionistas, investimento comercial dos anunciantes, mas também de si, caro leitor. A sua contribuição individual é relevante.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Preços deverão cair 8,4%. Imobiliário pede IVA a 6% e reforço dos vistos gold

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião