Centro histórico do Porto com mais áreas pedonais ao fim de semana

  • Lusa
  • 29 Maio 2020

A medida entra em vigor a 19 de junho e vai abarcar três zonas do centro do Porto, num total de 14 arruamentos, estando definido que para o efeito as ruas estarão condicionadas ao trânsito automóvel.

A Câmara do Porto anunciou esta sexta-feira que, a partir de 19 de junho, 14 arruamentos no centro histórico vão ser transformados em áreas pedonais aos fins de semana, como parte de um plano para “resgatar o espaço público”.

Numa conferência de imprensa realizada ao final desta manhã, o presidente da autarquia, o independente Rui Moreira, explicou que este é apenas o primeiro passo de uma estratégia de “resgaste” do espaço público que, “pelo menos nos últimos 30 ou 40 anos”, foi tomado pelo transporte individual motorizado.

“Aquilo que decorre da pandemia e que decorre também da reabertura da cidade demonstra que os cidadãos têm hoje grandes preocupações relativamente à utilização do espaço público. Nós fizemos uma experiência nas últimas semanas nas avenidas atlânticas e quisemos testar as águas e perceber qual era a forma como os cidadãos do Porto se iriam comportar perante um plano que estávamos a estruturar e que queríamos testar. E foi um bom teste”, disse.

Moreira considera que este é o mote para a cidade pensar sobre si própria, “como quer viver e conviver”, adiantando que a autarquia tem mais ideias para concretizar esta “aproximação progressiva” do cidadão ao espaço público.

Esta mensagem foi também reforçada pelo vereador do Urbanismo, Pedro Baganha, que sublinhou que o plano é “evolutivo” e que a Câmara está aberta às sugestões de associações de comerciantes e de moradores.

De acordo com o município, os arruamentos onde vão ser implementados condicionamentos correspondem a “locais para os quais as pessoas orbitam, pela oferta comercial, qualidade do espaço de estadia, ou por serem lugares de passagem com elevado conforto”.

A medida, que entra em vigor a 19 de junho, vai abarcar três zonas operativas do centro do Porto, num total de 14 arruamentos, estando definido que entre as 08h00 de sábado e as 20h00 de domingo as ruas estarão condicionadas ao trânsito automóvel.

Em causa está a “Zona 1”, que abrange as ruas de Cedofeita, de Miguel Bombarda, do Breyner, do Almada, da Conceição e toda a extensão da Rua de Passos Manuel.

Abrange ainda, na zona da ‘Movida’, as ruas das Carmelitas, de Conde de Vizela, da Fábrica, de Santa Teresa e a Rua de Avis, que se juntam às áreas pedonais temporárias já existentes nas ruas de Cândido dos Reis e Galerias de Paris.

Já a “Zona 2” abarca o passeio das Virtudes e Rua do Dr. Barbosa de Castro, enquanto a “Zona 3” abrange a Rua dos Caldeireiros e Avenida Rodrigues de Freitas.

Nestas zonas, avançou o vereador do Urbanismo, será introduzido novo mobiliário urbano, temporário e amovível.

O acesso de moradores e comerciantes ao interior dos 14 arruamentos está salvaguardado.

O plano apresentado esta sexta-feira prevê ainda o alargamento, até ao final do ano, da rede de ciclovias ou percursos cicláveis em mais 35 quilómetros, perfazendo um total de “54 quilómetros de rede”.

Segundo a autarquia, no âmbito deste processo, praticamente toda a cidade, da zona ocidental à zona oriental, ficará ligada por uma rede de ciclovias ou percursos cicláveis, sendo que na Avenida da Boavista a intenção é colocar a ciclovia na via, afastando-a de zonas de estacionamento.

Esta aposta será acompanha da disponibilização de 130 lugares de aparcamento para bicicletas em parques vigiados e da instalação na via pública de 72 bicicletários, com capacidade para 521 lugares de aparcamento.

No âmbito desta estratégia, dá-se ainda início à operação de trotinetas e bicicletas em regime de partilha, que arranca já a partir de segunda-feira.

Segundo avançou o município, os 210 pontos de partilha foram marcados durante o período de confinamento e correspondem aos 2.100 lugares contratualizados com as três operadoras que durante o mês de junho disponibilizarão o serviço gradualmente.

Rui Moreira anunciou ainda que também as feiras e mercados de caráter não alimentar estarão de regresso a partir de 19 de junho, de forma faseada, depois de ter ouvido o setor que apresentou um plano de segurança para a retoma das atividades.

Questionado sobre as comemorações do São João na cidade, o autarca explicou que a decisão tomada pela autarquia de cancelar as atividades proporcionadas pelo município nunca foi a de “extinguir o São João”, e admitiu não ver nenhuma razão para que as pessoas não possam fazer o faziam, que é “deambular pela cidade”.

O ECO recusou os subsídios do Estado. Contribua e apoie o jornalismo económico independente

O ECO decidiu rejeitar o apoio público do Estado aos media, porque discorda do modelo de subsidiação seguido, mesmo tendo em conta que servirá para pagar antecipadamente publicidade do Estado. Pelo modelo, e não pelo valor em causa, cerca de 19 mil euros. O ECO propôs outros caminhos, nunca aceitou o modelo proposto e rejeitou-o formalmente no dia seguinte à publicação do diploma que formalizou o apoio em Diário da República. Quando um Governo financia um jornal, é a independência jornalística que fica ameaçada.

Admitimos o apoio do Estado aos media em situações excecionais como a que vivemos, mas com modelos de incentivo que transfiram para o mercado, para os leitores e para os investidores comerciais ou de capital a decisão sobre que meios devem ser apoiados. A escolha seria deles, em função das suas preferências.

A nossa decisão é de princípio. Estamos apenas a ser coerentes com o nosso Manifesto Editorial, e com os nossos leitores. Somos jornalistas e continuaremos a fazer o nosso trabalho, de forma independente, a escrutinar o governo, este ou outro qualquer, e os poderes políticos e económicos. A questionar todos os dias, e nestes dias mais do que nunca, a ação governativa e a ação da oposição, as decisões de empresas e de sindicatos, o plano de recuperação da economia ou os atrasos nos pagamentos do lay-off ou das linhas de crédito, porque as perguntas nunca foram tão importantes como são agora. Porque vamos viver uma recessão sem precedentes, com consequências económicas e sociais profundas, porque os períodos de emergência são terreno fértil para abusos de quem tem o poder.

Queremos, por isso, depender apenas de si, caro leitor. E é por isso que o desafio a contribuir. Já sabe que o ECO não aceita subsídios públicos, mas não estamos imunes a uma situação de crise que se reflete na nossa receita. Por isso, o seu contributo é mais relevante neste momento.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Centro histórico do Porto com mais áreas pedonais ao fim de semana

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião