Restaurantes a 100% só com acrílicos a separar. Bares continuam fechados

A partir de 1 de junho, os restaurantes deixam de estar obrigados a manter a lotação dos espaços a 50%, desde que sejam colocadas divisórias entre mesas. Bares e discotecas continuam fechados.

Os restaurantes vão poder voltar a ter a lotação máxima a partir da próxima segunda-feira. A condição é que mantenham distância mínima através da instalação de divisórias impermeáveis (como por exemplo de acrílico) entre mesas, anunciou esta sexta-feira, o primeiro-ministro, António Costa. Para já, os bares e discotecas continuam de portas fechadas.

“Desaparece a regra da lotação máxima de 50% na lotação dos restaurantes, mantendo-se a necessidade de afastamento de um metro e meio, desde que entre os clientes seja colocada uma barreira física impermeável”, disse, o primeiro-ministro, António Costa, em declarações transmitidas pela RTP3, após o Conselho de Ministros.

Uma vez eliminada a obrigatoriedade de manter a lotação dos restaurantes a 50% da capacidade, o Chefe de Governo explicou que os espaços vão poder seguir dois caminhos: ou” manter as regras atualmente em vigor” com a redução da lotação e o distanciamento mínimo de um metro e meio ou “podem evoluir para a utilização da sua lotação legal, desde que coloquem barreiras físicas impermeáveis entre os diferentes comensais“, esclareceu.

No que toca aos bares e discotecas, ainda não à data para a reabertura. “Em relação aos bares e discotecas mantêm-se as regras anteriores, não serão revistas nos próximos 15 dias”, assinalou o primeiro-ministro.

Estas decisões foram anunciadas esta sexta-feira, após o Conselho de Ministros em que foram decididas as medidas específicas da terceira fase de desconfinamento, que arranca na próxima segunda-feira. António Costa admitiu que há “preocupação face à evolução [do número de casos de Covid-19] da área de Lisboa”, pelo que há algumas regras específicas para esta região, como é o caso das lojas do cidadão, lojas com mais de 400m2 e centros comerciais.

(Notícia atualizada às 19h11)

Quanto vale uma notícia? Contribua para o jornalismo económico independente

Quanto vale uma notícia para si? E várias? O ECO foi citado em meios internacionais como o New York Times e a Reuters por causa da notícia da suspensão de António Mexia e João Manso Neto na EDP, mas também foi o ECO a revelar a demissão de Mário Centeno e o acordo entre o Governo e os privados na TAP. E foi no ECO que leu, em primeira mão, a proposta de plano de recuperação económica de António Costa Silva.

O jornalismo faz-se, em primeiro lugar, de notícias. Isso exige investimento de capital dos acionistas, investimento comercial dos anunciantes, mas também de si, caro leitor. A sua contribuição individual é relevante.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Restaurantes a 100% só com acrílicos a separar. Bares continuam fechados

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião