Transportes rodoviários de passageiros da área metropolitana de Lisboa reforçam oferta a partir de 1 de junho

  • Lusa
  • 31 Maio 2020

Os operadores privados de transporte de passageiros na área metropolitana de Lisboa vão aumentar o número de circulações à semana e ao fim de semana a partir de 1 de junho.

As transportadoras rodoviárias privadas de passageiros da Área Metropolitana de Lisboa (AML) vão reforçar oferta, com um acréscimo de 60 circulações em dias úteis e 70 ao fim de semana, para responder à nova fase de desconfinamento.

“Os operadores privados de transporte rodoviário de passageiros da Área Metropolitana de Lisboa, Barraqueiro Transportes – marcas Boa Viagem e Mafrense, Isidoro Duarte, Henrique Leonardo da Mota, Rodoviária de Lisboa, Scotturb e Vimeca estão a promover um conjunto substancial de reforço de circulações e reativação de carreiras, para dar resposta às necessidades dos utilizadores na nova fase de desconfinamento, que se inicia dia 1 de junho”, anunciou a AML em comunicado.

Segundo aquela entidade, o reforço “traduz-se num acréscimo de cerca de 60 circulações em cada dia útil e de 70 ao fim de semana”.

Na mesma nota, em que especifica o reforço por empresa e linha, a AML recorda que a oferta de transporte rodoviário ainda poderá vir a sofrer “novos ajustes durante os próximos dias, de acordo com as necessidades identificadas”. O que resultará de um trabalho conjunto entre operadores, câmaras municipais e Área Metropolitana de Lisboa (AML)”, de forma a que a oferta responda às necessidades de mobilidade da população, “de forma fiável e em segurança”.

A entidade apela também aos utilizadores de transportes públicos da Área Metropolitana de Lisboa que neste processo de ajustamento de oferta, e quando tiverem qualquer questão, que a coloquem através do endereço de correio eletrónico amlcorreio@aml.pt. Mas relembra que o uso de máscara é obrigatório e alerta que a compra dos títulos de transporte “deve ser feita preferencialmente, de uma forma antecipada, nos diversos canais disponíveis”.

Em Portugal, morreram 1.396 pessoas das 32.203 confirmadas como infetadas, e há 19.186 casos recuperados, de acordo com a Direção-Geral da Saúde. Já a nível global, segundo um balanço da agência de notícias AFP, a pandemia de covid-19 já provocou mais de 364 mil mortos e infetou mais de 5,9 milhões de pessoas em 196 países e territórios.

No país, esta fase de combate à covid-19 prevê o confinamento obrigatório apenas para pessoas doentes e em vigilância ativa e o uso obrigatório de máscaras ou viseiras em transportes públicos, serviços de atendimento ao público, escolas e estabelecimentos comerciais.

O Governo aprovou na sexta-feira novas medidas para entrarem em vigor em 01 junho, com destaque para a abertura dos centros comerciais (à exceção da Área Metropolitana de Lisboa, que continuarão encerrados até, pelo menos, 04 de junho), dos ginásios ou das salas de espetáculos. Estas medidas juntam-se às que entraram em vigor no dia 18 de maio, entre as quais a retoma das visitas aos utentes dos lares de idosos, a reabertura das creches, aulas presenciais para os 11.º e 12.º anos e a reabertura de algumas lojas de rua, cafés, restaurantes, museus, monumentos e palácios.

O ECO recusou os subsídios do Estado. Contribua e apoie o jornalismo económico independente

O ECO decidiu rejeitar o apoio público do Estado aos media, porque discorda do modelo de subsidiação seguido, mesmo tendo em conta que servirá para pagar antecipadamente publicidade do Estado. Pelo modelo, e não pelo valor em causa, cerca de 19 mil euros. O ECO propôs outros caminhos, nunca aceitou o modelo proposto e rejeitou-o formalmente no dia seguinte à publicação do diploma que formalizou o apoio em Diário da República. Quando um Governo financia um jornal, é a independência jornalística que fica ameaçada.

Admitimos o apoio do Estado aos media em situações excecionais como a que vivemos, mas com modelos de incentivo que transfiram para o mercado, para os leitores e para os investidores comerciais ou de capital a decisão sobre que meios devem ser apoiados. A escolha seria deles, em função das suas preferências.

A nossa decisão é de princípio. Estamos apenas a ser coerentes com o nosso Manifesto Editorial, e com os nossos leitores. Somos jornalistas e continuaremos a fazer o nosso trabalho, de forma independente, a escrutinar o governo, este ou outro qualquer, e os poderes políticos e económicos. A questionar todos os dias, e nestes dias mais do que nunca, a ação governativa e a ação da oposição, as decisões de empresas e de sindicatos, o plano de recuperação da economia ou os atrasos nos pagamentos do lay-off ou das linhas de crédito, porque as perguntas nunca foram tão importantes como são agora. Porque vamos viver uma recessão sem precedentes, com consequências económicas e sociais profundas, porque os períodos de emergência são terreno fértil para abusos de quem tem o poder.

Queremos, por isso, depender apenas de si, caro leitor. E é por isso que o desafio a contribuir. Já sabe que o ECO não aceita subsídios públicos, mas não estamos imunes a uma situação de crise que se reflete na nossa receita. Por isso, o seu contributo é mais relevante neste momento.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Transportes rodoviários de passageiros da área metropolitana de Lisboa reforçam oferta a partir de 1 de junho

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião