Comissário da UE defende “taxa de acesso” às multinacionais para financiar recuperação

O comissário europeu do Orçamento aconselhou os Estados-membros a aplicarem mais impostos às multinacionais para financiar a aplicação do fundo de recuperação na União Europeia.

O responsável pelo orçamento da União Europeia (UE) defende que deve ser aplicada uma “taxa de acesso” ao mercado único às multinacionais, numa tentativa de financiar a recuperação do bloco comunitário. Numa entrevista ao Financial Times (acesso pago), Johannes Hahn afirmou que esta medida afetaria cerca de 70.000 empresas e que é a forma mais prática de a Comissão Europeia obter novas fontes de receita direta.

Em causa está o fundo de recuperação de 750 mil milhões de euros anunciado pela UE para ajudar os Estados-membros a ultrapassar a crise provocada pelo coronavírus. Para o comissário do Orçamento, a alternativa mais prática para a Comissão Europeia obter novas fontes de receita direta — ou “recursos próprios” — para fazer face à dívida que este fundo vai criar passa pela criação desta “taxa de acesso”.

Assim, Johannes Hahn defende a definição de uma contribuição anual de dez mil milhões de euros por parte de cerca de 70.000 empresas na Europa, cujo volume de negócios ultrapasse os 750 milhões de euros. “O que pretendemos — o mais tardar até ao final de 2027 — é ter um fluxo constante e funcional de novos recursos próprios para o nosso orçamento”, disse o responsável, em entrevista ao FT.

Admitindo que na mira da UE está uma receita adicional entre 15 a 20 mil milhões de euros por ano, o comissário disse que as novas propostas da Comissão “não visam contribuintes individuais mas, por outro lado, encaixam-se nas prioridades políticas” da UE.

Quanto vale uma notícia? Contribua para o jornalismo económico independente

Quanto vale uma notícia para si? E várias? O ECO foi citado em meios internacionais como o New York Times e a Reuters por causa da notícia da suspensão de António Mexia e João Manso Neto na EDP, mas também foi o ECO a revelar a demissão de Mário Centeno e o acordo entre o Governo e os privados na TAP. E foi no ECO que leu, em primeira mão, a proposta de plano de recuperação económica de António Costa Silva.

O jornalismo faz-se, em primeiro lugar, de notícias. Isso exige investimento de capital dos acionistas, investimento comercial dos anunciantes, mas também de si, caro leitor. A sua contribuição individual é relevante.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Comissário da UE defende “taxa de acesso” às multinacionais para financiar recuperação

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião