BRANDS' PESSOAS Gamificando a avaliação de desempenho

  • BRANDS' PESSOAS
  • 1 Junho 2020

Joana Gonçalves Rebelo, Manager EY, People Advisory Services, explica a importância de alterar a lente com que se olha para a avaliação de desempenho em tempos de crise.

Se anteriormente atingir objetivos organizacionais e de negócio era já muito importante para a continuidade de negócio, na atualidade tornam-se um imperativo de sobrevivência. O atingir de objetivos de negócio, desde logo os de curto prazo, pode significar manter a viabilidade da empresa e consequentemente garantir o emprego a todos aqueles que lá trabalham.

Em termos organizacionais, uma das ferramentas mais importantes que os gestores têm para suportar a definição e acompanhar o atingir dos objetivos definidos pelo negócio é a avaliação de desempenho. Esta ferramenta tradicionalmente reflete uma política de avaliação de performance, de grupo e do indivíduo, face aos objetivos previamente definidos e que pode ou não derivar em recompensas – tradicionalmente financeiras – bem como em planos de desenvolvimento.

"Tradicionalmente podemos encontrar gamification em ambientes de aprendizagem e formação, no entanto, extrapolando e adaptando o seu uso, poderá ter uma aplicabilidade alargada no seio organizacional.”

Joana Gonçalves Rebelo

Manager EY

Ora em tempos de crise, como reflete a nossa atualidade, a lente com que olhamos para a avaliação de desempenho deve ser alterada. O seu foco inicial de medição de performance torna-se menos relevante, comparativamente, ganhando importância o suporte às equipas e aos indivíduos no atingimento dos objetivos definidos. Esse suporte pode surgir em vários formatos, nomeadamente garantindo que todos conhecem os dados relevantes, têm acesso a formação/conhecimento necessário, agilizando processos internos etc.

Assim, o suporte requerido pode derivar de esforços diferenciados e divididos entre a estrutura organizacional e hierárquica da organização. Adicionalmente, podemos rever a estrutura do próprio sistema de avaliação de desempenho e para tal uma opção com bons resultados é olhar para a gamificação como suporte ao processo.

A gamificação procura introduzir elementos associados a jogos como atividades, pontuações, níveis, regras de jogo, etc a outras atividades distintas. Tradicionalmente podemos encontrar gamification em ambientes de aprendizagem e formação, no entanto, extrapolando e adaptando o seu uso, poderá ter uma aplicabilidade alargada no seio organizacional. A gamificação é utilizada em meios de aprendizagem tendo em vista a melhoria dos níveis de engagement e motivação para a ultrapassagem de objetivos definidos. E é exatamente olhando para os objetivos que vemos uma oportunidade de potenciar a performance individual e de grupo.

A teoria de goal setting (Edwin Locke, 1968) indica-nos que estabelecer objetivos motiva os indivíduos para agirem sobre os mesmos, direcionando os seus esforços para as atividades mais relevantes e desencorajando as atividades menos relevantes. Em suma, a teoria sugere que cada indivíduo por si mesmo é capaz de direcionar os seus esforços para o que é mais relevante.

Assim, olhando para o desenho dos objetivos anuais de desempenho, poderá ser uma alternativa interessante rever os objetivos definidos e redesenhar os mesmos usando as lógicas de jogo. Gamificando! Partindo-os em objetivos intermédios (ex. níveis a superar), medição de KPI’s como níveis de atingimento, utilização de barras de progresso como forma de dar e receber feedback, learderboards para níveis de serviço são exemplos de oportunidades para incrementar a motivação, compromisso e engagement dos colaboradores, ao mesmo tempo que o foco é inequívoco nos objetivos primordiais.

A gamificação pode ainda ser utilizada para suportar objetivos menos estratégicos, mas importantes para organização. Assim a realização de tarefas chatas e rotineiras pode ser igualmente ser incentivada, medida e recompensada de forma direta (ex. se é necessário fazer a atualização manual de dados de cadastros, a atividade pode ser dividida em tarefas e por cada fase/nível atingido poderá haver uma recompensa diretamente associada).

Para a implementação de um sistema de avaliação de desempenho baseada em gamificação são sugeridos 6 passos essenciais: a constituição da equipa; determinação de objetivos a serem atingidos; definição de sistemas de recompensa; desenho da gamificação; teste; implementação.

Na sua empresa os seus colaboradores entram no jogo de atingirem os seus objetivos?

Se tem interesse em receber comunicação da EY Portugal (convites, newsletters, estudos, etc), por favor clique aqui.

Quanto vale uma notícia? Contribua para o jornalismo económico independente

Quanto vale uma notícia para si? E várias? O ECO foi citado em meios internacionais como o New York Times e a Reuters por causa da notícia da suspensão de António Mexia e João Manso Neto na EDP, mas também foi o ECO a revelar a demissão de Mário Centeno e o acordo entre o Governo e os privados na TAP. E foi no ECO que leu, em primeira mão, a proposta de plano de recuperação económica de António Costa Silva.

O jornalismo faz-se, em primeiro lugar, de notícias. Isso exige investimento de capital dos acionistas, investimento comercial dos anunciantes, mas também de si, caro leitor. A sua contribuição individual é relevante.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Gamificando a avaliação de desempenho

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião