BRANDS' PESSOAS Gamificando a avaliação de desempenho

  • BRANDS' PESSOAS
  • 1 Junho 2020

Joana Gonçalves Rebelo, Manager EY, People Advisory Services, explica a importância de alterar a lente com que se olha para a avaliação de desempenho em tempos de crise.

Se anteriormente atingir objetivos organizacionais e de negócio era já muito importante para a continuidade de negócio, na atualidade tornam-se um imperativo de sobrevivência. O atingir de objetivos de negócio, desde logo os de curto prazo, pode significar manter a viabilidade da empresa e consequentemente garantir o emprego a todos aqueles que lá trabalham.

Em termos organizacionais, uma das ferramentas mais importantes que os gestores têm para suportar a definição e acompanhar o atingir dos objetivos definidos pelo negócio é a avaliação de desempenho. Esta ferramenta tradicionalmente reflete uma política de avaliação de performance, de grupo e do indivíduo, face aos objetivos previamente definidos e que pode ou não derivar em recompensas – tradicionalmente financeiras – bem como em planos de desenvolvimento.

"Tradicionalmente podemos encontrar gamification em ambientes de aprendizagem e formação, no entanto, extrapolando e adaptando o seu uso, poderá ter uma aplicabilidade alargada no seio organizacional.”

Joana Gonçalves Rebelo

Manager EY

Ora em tempos de crise, como reflete a nossa atualidade, a lente com que olhamos para a avaliação de desempenho deve ser alterada. O seu foco inicial de medição de performance torna-se menos relevante, comparativamente, ganhando importância o suporte às equipas e aos indivíduos no atingimento dos objetivos definidos. Esse suporte pode surgir em vários formatos, nomeadamente garantindo que todos conhecem os dados relevantes, têm acesso a formação/conhecimento necessário, agilizando processos internos etc.

Assim, o suporte requerido pode derivar de esforços diferenciados e divididos entre a estrutura organizacional e hierárquica da organização. Adicionalmente, podemos rever a estrutura do próprio sistema de avaliação de desempenho e para tal uma opção com bons resultados é olhar para a gamificação como suporte ao processo.

A gamificação procura introduzir elementos associados a jogos como atividades, pontuações, níveis, regras de jogo, etc a outras atividades distintas. Tradicionalmente podemos encontrar gamification em ambientes de aprendizagem e formação, no entanto, extrapolando e adaptando o seu uso, poderá ter uma aplicabilidade alargada no seio organizacional. A gamificação é utilizada em meios de aprendizagem tendo em vista a melhoria dos níveis de engagement e motivação para a ultrapassagem de objetivos definidos. E é exatamente olhando para os objetivos que vemos uma oportunidade de potenciar a performance individual e de grupo.

A teoria de goal setting (Edwin Locke, 1968) indica-nos que estabelecer objetivos motiva os indivíduos para agirem sobre os mesmos, direcionando os seus esforços para as atividades mais relevantes e desencorajando as atividades menos relevantes. Em suma, a teoria sugere que cada indivíduo por si mesmo é capaz de direcionar os seus esforços para o que é mais relevante.

Assim, olhando para o desenho dos objetivos anuais de desempenho, poderá ser uma alternativa interessante rever os objetivos definidos e redesenhar os mesmos usando as lógicas de jogo. Gamificando! Partindo-os em objetivos intermédios (ex. níveis a superar), medição de KPI’s como níveis de atingimento, utilização de barras de progresso como forma de dar e receber feedback, learderboards para níveis de serviço são exemplos de oportunidades para incrementar a motivação, compromisso e engagement dos colaboradores, ao mesmo tempo que o foco é inequívoco nos objetivos primordiais.

A gamificação pode ainda ser utilizada para suportar objetivos menos estratégicos, mas importantes para organização. Assim a realização de tarefas chatas e rotineiras pode ser igualmente ser incentivada, medida e recompensada de forma direta (ex. se é necessário fazer a atualização manual de dados de cadastros, a atividade pode ser dividida em tarefas e por cada fase/nível atingido poderá haver uma recompensa diretamente associada).

Para a implementação de um sistema de avaliação de desempenho baseada em gamificação são sugeridos 6 passos essenciais: a constituição da equipa; determinação de objetivos a serem atingidos; definição de sistemas de recompensa; desenho da gamificação; teste; implementação.

Na sua empresa os seus colaboradores entram no jogo de atingirem os seus objetivos?

Se tem interesse em receber comunicação da EY Portugal (convites, newsletters, estudos, etc), por favor clique aqui.

O ECO recusou os subsídios do Estado. Contribua e apoie o jornalismo económico independente

O ECO decidiu rejeitar o apoio público do Estado aos media, porque discorda do modelo de subsidiação seguido, mesmo tendo em conta que servirá para pagar antecipadamente publicidade do Estado. Pelo modelo, e não pelo valor em causa, cerca de 19 mil euros. O ECO propôs outros caminhos, nunca aceitou o modelo proposto e rejeitou-o formalmente no dia seguinte à publicação do diploma que formalizou o apoio em Diário da República. Quando um Governo financia um jornal, é a independência jornalística que fica ameaçada.

Admitimos o apoio do Estado aos media em situações excecionais como a que vivemos, mas com modelos de incentivo que transfiram para o mercado, para os leitores e para os investidores comerciais ou de capital a decisão sobre que meios devem ser apoiados. A escolha seria deles, em função das suas preferências.

A nossa decisão é de princípio. Estamos apenas a ser coerentes com o nosso Manifesto Editorial, e com os nossos leitores. Somos jornalistas e continuaremos a fazer o nosso trabalho, de forma independente, a escrutinar o governo, este ou outro qualquer, e os poderes políticos e económicos. A questionar todos os dias, e nestes dias mais do que nunca, a ação governativa e a ação da oposição, as decisões de empresas e de sindicatos, o plano de recuperação da economia ou os atrasos nos pagamentos do lay-off ou das linhas de crédito, porque as perguntas nunca foram tão importantes como são agora. Porque vamos viver uma recessão sem precedentes, com consequências económicas e sociais profundas, porque os períodos de emergência são terreno fértil para abusos de quem tem o poder.

Queremos, por isso, depender apenas de si, caro leitor. E é por isso que o desafio a contribuir. Já sabe que o ECO não aceita subsídios públicos, mas não estamos imunes a uma situação de crise que se reflete na nossa receita. Por isso, o seu contributo é mais relevante neste momento.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Gamificando a avaliação de desempenho

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião