Senado francês aprova novo seguro para apoiar empresas em caso de pandemia

  • ECO Seguros
  • 3 Junho 2020

O projeto legislativo visa criar um mecanismo que funcionará como um para-raios para proteção das empresas face a grandes ameaças ou crises sanitárias como a atual.

O trabalho iniciado em maio por uma comissão mista do Parlamento francês concluiu os melhoramentos à arquitetura do instituto que define “as responsabilidades do Estado, das seguradoras e das empresas”, afirma Claude Nougein, republicano e relator da iniciativa legislativa, citado num comunicado da câmara alta do órgão legislativo.

O Senado francês, que junto com a Assembleia Nacional formam o Parlamento da República, aprovou o projeto de lei apresentado por Jean-François Husson, senador eleito pela região de Meurthe-et-Moselle, para a criação do mecanismo que irá assegurar a cobertura obrigatória e reembolso célere das perdas de exploração de empresas afetadas por eventos como a atual pandemia.

O texto – que se antecipa ao resultado de um grupo de trabalho promovido pelo Governo – prevê a inclusão de uma cobertura adicional e obrigatória para as empresas, a partir do momento em que estas celebrem um contrato de seguro para proteger os seus bens, contra perdas de exploração geradas por riscos tradicionais.

O projeto de lei assinado por centena e meia de senadores dispõe que, as apólices de seguro que cobrem os danos causados às empresas pelos incêndios, por exemplo, passem obrigatoriamente a cobrir custos fixos das empresas sempre que estas sofram uma perda de exploração (receitas) de pelo menos 50% durante uma crise sanitária.

O documento prevê igualmente uma franquia a cargo das empresas entre 10 e 30% dos prejuízos, bem como o compromisso para as companhias de seguros pagarem uma indemnização no prazo de 30 dias após o termo do período abrangido pelas medidas tomadas no contexto da ameaça ou eventual crise sanitária grave.

O financiamento da nova cobertura – obrigatória – envolve uma contribuição adicional [do tomador do seguro] no contrato principal. A fim de limitar o custo desta contribuição adicional o projeto de lei enquadra contribuições anuais das seguradoras para um fundo estatal de solidariedade, cujos recursos serão mobilizados em caso de crise nacional ou de proporções significativas como se de uma “reserva de precaução” se tratasse.

O ECO recusou os subsídios do Estado. Contribua e apoie o jornalismo económico independente

O ECO decidiu rejeitar o apoio público do Estado aos media, porque discorda do modelo de subsidiação seguido, mesmo tendo em conta que servirá para pagar antecipadamente publicidade do Estado. Pelo modelo, e não pelo valor em causa, cerca de 19 mil euros. O ECO propôs outros caminhos, nunca aceitou o modelo proposto e rejeitou-o formalmente no dia seguinte à publicação do diploma que formalizou o apoio em Diário da República. Quando um Governo financia um jornal, é a independência jornalística que fica ameaçada.

Admitimos o apoio do Estado aos media em situações excecionais como a que vivemos, mas com modelos de incentivo que transfiram para o mercado, para os leitores e para os investidores comerciais ou de capital a decisão sobre que meios devem ser apoiados. A escolha seria deles, em função das suas preferências.

A nossa decisão é de princípio. Estamos apenas a ser coerentes com o nosso Manifesto Editorial, e com os nossos leitores. Somos jornalistas e continuaremos a fazer o nosso trabalho, de forma independente, a escrutinar o governo, este ou outro qualquer, e os poderes políticos e económicos. A questionar todos os dias, e nestes dias mais do que nunca, a ação governativa e a ação da oposição, as decisões de empresas e de sindicatos, o plano de recuperação da economia ou os atrasos nos pagamentos do lay-off ou das linhas de crédito, porque as perguntas nunca foram tão importantes como são agora. Porque vamos viver uma recessão sem precedentes, com consequências económicas e sociais profundas, porque os períodos de emergência são terreno fértil para abusos de quem tem o poder.

Queremos, por isso, depender apenas de si, caro leitor. E é por isso que o desafio a contribuir. Já sabe que o ECO não aceita subsídios públicos, mas não estamos imunes a uma situação de crise que se reflete na nossa receita. Por isso, o seu contributo é mais relevante neste momento.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Senado francês aprova novo seguro para apoiar empresas em caso de pandemia

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião