Pandemia de Covid-19 causa maior recessão em França desde o pós-guerra

  • Lusa
  • 6 Abril 2020

O ministro francês que falava esta segunda-feira no Senado estimou que a pandemia ameaça acabar com a zona euro se não se limitarem as divergências económicas entre os países.

A pandemia da covid-19 vai provocar este ano em França a maior recessão económica desde o final da Segunda Guerra Mundial em 1945, afirmou esta segunda-feira o ministro da Economia francês, Bruno Le Maire.

O ministro francês que falava esta segunda-feira no Senado estimou que a pandemia ameaça acabar com a zona euro se não se limitarem as divergências económicas entre os países.

Le Maire assegurou que a contração da economia francesa será “muito acima” dos -2,2% registados em 2009, o pior número desde o pós-guerra.

Neste contexto, Le Maire defendeu as medidas “inovadoras” tomadas pelo Executivo, que se focam essencialmente na proteção dos trabalhadores atingidos pelos encerramentos associados à pandemia.

Mas advertiu para a importância de uma atuação conjunta no seio da União Europeia (UE) para evitar o aumento das divergências económicas entre os países, que tornariam insuportável a sobrevivência da moeda comum. “É uma crise global. Uma das minhas inquietações é a capacidade da zona euro para resistir“, afirmou Le Maire.

O ministro francês indicou que o perigo é que as economias mais sólidas, como a alemã, “ponham em cima da mesa números astronómicos para proteger as suas economias” e “quando acabar a crise se recuperem mais rapidamente” que outras, como a italiana, que com menos margem, o fariam mais devagar.

O risco principal é aumentar a divergência económica no seio da UE. Uma zona monetária comum não poderá suportar crescentes diferenças económicas entre os seus membros“, afirmou Le Maire, sublinhando que “a zona euro explodirá se os países divergirem muito em matéria económica”.

O ministro francês reiterou o seu apoio às medidas já adotadas a nível europeu, como o programa de apoio do Banco Central Europeu, a flexibilização do pacto de estabilidade ou a suspensão de vetos às ajudas estatais a empresas, mas indicou que “não é suficiente”.

Por isso, Le Maire voltou a pedir a adoção do fundo de solidariedade que propôs na semana passada para financiar um grande plano de investimento estatal para relançar a economia de todos os países.

Le Maire indicou que seria a Comissão Europeia que pediria o empréstimo para financiar o programa, que lhe permitiria fazer a uma taxa de juro inferior do que se fosse feito por cada país individualmente.

O dinheiro serviria para reforçar setores estratégicos, como a saúde ou a investigação e apoiar os mais atingidos, como o automobilístico, o transporte aéreo ou o turístico. O novo coronavírus, responsável pela pandemia da covid-19, já infetou mais de 1,2 milhões de pessoas em todo o mundo, das quais morreram mais de 70 mil. Dos casos de infeção, mais de 240 mil são considerados curados.

O ECO recusou os subsídios do Estado. Contribua e apoie o jornalismo económico independente

O ECO decidiu rejeitar o apoio público do Estado aos media, porque discorda do modelo de subsidiação seguido, mesmo tendo em conta que servirá para pagar antecipadamente publicidade do Estado. Pelo modelo, e não pelo valor em causa, cerca de 19 mil euros. O ECO propôs outros caminhos, nunca aceitou o modelo proposto e rejeitou-o formalmente no dia seguinte à publicação do diploma que formalizou o apoio em Diário da República. Quando um Governo financia um jornal, é a independência jornalística que fica ameaçada.

Admitimos o apoio do Estado aos media em situações excecionais como a que vivemos, mas com modelos de incentivo que transfiram para o mercado, para os leitores e para os investidores comerciais ou de capital a decisão sobre que meios devem ser apoiados. A escolha seria deles, em função das suas preferências.

A nossa decisão é de princípio. Estamos apenas a ser coerentes com o nosso Manifesto Editorial, e com os nossos leitores. Somos jornalistas e continuaremos a fazer o nosso trabalho, de forma independente, a escrutinar o governo, este ou outro qualquer, e os poderes políticos e económicos. A questionar todos os dias, e nestes dias mais do que nunca, a ação governativa e a ação da oposição, as decisões de empresas e de sindicatos, o plano de recuperação da economia ou os atrasos nos pagamentos do lay-off ou das linhas de crédito, porque as perguntas nunca foram tão importantes como são agora. Porque vamos viver uma recessão sem precedentes, com consequências económicas e sociais profundas, porque os períodos de emergência são terreno fértil para abusos de quem tem o poder.

Queremos, por isso, depender apenas de si, caro leitor. E é por isso que o desafio a contribuir. Já sabe que o ECO não aceita subsídios públicos, mas não estamos imunes a uma situação de crise que se reflete na nossa receita. Por isso, o seu contributo é mais relevante neste momento.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Pandemia de Covid-19 causa maior recessão em França desde o pós-guerra

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião