Vendas nos supermercados abrandam. Conservas contrariam tendência e crescem 79%

  • Lusa
  • 6 Abril 2020

As vendas nos super e hipermercados cresceram 7% entre 16 e 22 de março, enquanto as vendas de conservas aumentaram 79%, segundo dados da consultora Nielsen.

As vendas nos super e hipermercados cresceram 7% entre 16 e 22 de março, um abrandamento face à semana anterior, enquanto as vendas de conservas aumentaram 79% na semana de declaração do estado de emergência, segundo a consultora Nielsen.

De acordo com a terceira edição do barómetro semanal da Nielsen sobre o impacto da pandemia do Covid-19 no consumo, no total, as vendas nos super e hipermercados aumentaram 7% em termos homólogos entre 16 e 22 de março, semana em que foi declarado o estado de emergência, houve o encerramento das escolas e restrição à movimentação, designada pela Nielsen como “etapa preparação para a quarentena”.

Esse crescimento fica abaixo do aumento de 65% registado de 09 a 15 de março, semana em que os portugueses começaram a preparar a despensa para a pandemia, segundo a Nielsen.

No abrandamento das vendas nos super e hipermercados, Portugal seguiu a tendência de outros países, sobretudo de Espanha, onde também houve um desaceleração significativa de vendas.

Apesar do abrandamento, em Portugal, na semana de 16 a 22 de março, houve um aumento significativo de vendas de produtos de longa conservação, com as conservas a crescerem 79% e os produtos básicos 68%.

Lisboa e Setúbal destacaram-se com aumentos ainda mais elevados nestas categorias, de 89% e 74% para conservas e 75% e 65% para produtos básicos, respetivamente.

A Nielsen identificou ainda uma “preocupação acrescida com os animais de estimação”, com os produtos para animais (alimentação e acessórios) a crescerem 15% face ao período homólogo.

Já os produtos de papel continuam a liderar os produtos de higiene pessoal e do lar, com crescimento de 75% do papel higiénico, face a período homólogo, seguido de lenços, rolos e guardanapos e acessórios de limpeza.

Em sentido contrário, há uma quebra em produtos de higiene pessoal e do lar, decorrente de os consumidores estarem em casa, afirmou a Nielsen.

Assim, face ao período homólogo, as vendas de produtos de maquilhagem caíram 54%, de perfumes 53%, de produtos para calçado 47%, de ambientadores 38%, de cremes para pele 33% e de produtos para barba 22%.

Segundo a Nielsen, a cesta de compras dos consumidores portugueses tem atualmente “moldes de sobrevivência”, mais económica e racional.

Contudo, de acordo com a consultora da Nielsen Marta Teotónio Pereira, é expectável que, “depois de passada esta fase em que os portugueses prepararam a vida para a quarentena”, haja procura de produtos que tornem “a vida em casa mais suportável”, pelo que admite que haja produtos menos essenciais que cresçam, como alguns da categorias de bebidas ou de produtos de beleza, uma vez que nesta fase não é possível saídas como idas ao cabeleireiro.

“A evolução da composição da cesta de quarentena tem, portanto, uma parte experiencial e outra emocional e há aqui uma oportunidade para fabricantes e retalhistas atingirem vendas incrementais”, afirmou a consultora da Nielsen, citada em comunicado.

Este relatório abrangeu um sete insígnias em Portugal Continental: Auchan, Continente, Dia/MiniPreço, El Corte Inglés, Intermarché, Mercadona e Pingo Doce.

O ECO recusou os subsídios do Estado. Contribua e apoie o jornalismo económico independente

O ECO decidiu rejeitar o apoio público do Estado aos media, porque discorda do modelo de subsidiação seguido, mesmo tendo em conta que servirá para pagar antecipadamente publicidade do Estado. Pelo modelo, e não pelo valor em causa, cerca de 19 mil euros. O ECO propôs outros caminhos, nunca aceitou o modelo proposto e rejeitou-o formalmente no dia seguinte à publicação do diploma que formalizou o apoio em Diário da República. Quando um Governo financia um jornal, é a independência jornalística que fica ameaçada.

Admitimos o apoio do Estado aos media em situações excecionais como a que vivemos, mas com modelos de incentivo que transfiram para o mercado, para os leitores e para os investidores comerciais ou de capital a decisão sobre que meios devem ser apoiados. A escolha seria deles, em função das suas preferências.

A nossa decisão é de princípio. Estamos apenas a ser coerentes com o nosso Manifesto Editorial, e com os nossos leitores. Somos jornalistas e continuaremos a fazer o nosso trabalho, de forma independente, a escrutinar o governo, este ou outro qualquer, e os poderes políticos e económicos. A questionar todos os dias, e nestes dias mais do que nunca, a ação governativa e a ação da oposição, as decisões de empresas e de sindicatos, o plano de recuperação da economia ou os atrasos nos pagamentos do lay-off ou das linhas de crédito, porque as perguntas nunca foram tão importantes como são agora. Porque vamos viver uma recessão sem precedentes, com consequências económicas e sociais profundas, porque os períodos de emergência são terreno fértil para abusos de quem tem o poder.

Queremos, por isso, depender apenas de si, caro leitor. E é por isso que o desafio a contribuir. Já sabe que o ECO não aceita subsídios públicos, mas não estamos imunes a uma situação de crise que se reflete na nossa receita. Por isso, o seu contributo é mais relevante neste momento.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Vendas nos supermercados abrandam. Conservas contrariam tendência e crescem 79%

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião