Alemanha pede ao Reino Unido “abordagem mais realista” nas negociações do Brexit

  • Lusa
  • 4 Junho 2020

O embaixador alemão na UE, Michael Clauss, apelou a que o Reino Unido tenha uma "abordagem mais realista" das negociações da relação pós-Brexit, que estão atualmente num impasse.

O embaixador da Alemanha junto da União Europeia (UE) apelou ao Reino Unido para adotar uma “abordagem mais realista” nas negociações do Brexit, atualmente num impasse. Michael Clauss defendeu, num encontro no think tank European Policy Centre, que os britânicos não podem ter simultaneamente “plena soberania e acesso total ao mercado único da UE”.

O embaixador, cujo país assume a presidência da UE no segundo semestre de 2020, disse que os últimos meses deste ano vão ser “dominados” pelas negociações do Brexit e que Berlim vê a conclusão de um acordo como uma prioridade, lado a lado com a aprovação pelos 27 do fundo de recuperação económica europeu.

A UE e o Reino Unido lançaram na terça-feira uma quarta ronda negocial, de uma semana, por videoconferência, para tentar chegar a um compromisso sobre a relação após a saída do Reino Unido do bloco comunitário, a 31 de janeiro passado. O período de transição, durante o qual o Reino Unido continua a aplicar as regras europeias, termina a 31 de dezembro próximo, a menos que Londres peça até ao final deste mês um prolongamento de um ou dois anos. Até ao momento, no entanto, o Governo britânico tem afastado essa hipótese.

Até ao fim de junho, ambas as partes vão fazer um ponto de situação numa mini-cimeira entre o primeiro-ministro britânico, Boris Johnson, a presidente da Comissão Europeia, Ursula von der Leyen, e o presidente do Conselho Europeu, Charles Michel. O negociador europeu para o Brexit, Michel Barnier, considerou na terça-feira que esta nova semana de negociações é “decisiva para progressos tangíveis”.

Os britânicos querem um acordo com “zero quotas e zero tarifas”, que Bruxelas condiciona a garantias, em particular em matéria de concorrência. Ambas as partes admitem que houve muito poucos progressos nas negociações realizadas até agora, persistindo desacordos em matéria laboral, ambiental, de segurança e, sobretudo, o acesso recíproco às águas de pesca.

Quanto vale uma notícia? Contribua para o jornalismo económico independente

Quanto vale uma notícia para si? E várias? O ECO foi citado em meios internacionais como o New York Times e a Reuters por causa da notícia da suspensão de António Mexia e João Manso Neto na EDP, mas também foi o ECO a revelar a demissão de Mário Centeno e o acordo entre o Governo e os privados na TAP. E foi no ECO que leu, em primeira mão, a proposta de plano de recuperação económica de António Costa Silva.

O jornalismo faz-se, em primeiro lugar, de notícias. Isso exige investimento de capital dos acionistas, investimento comercial dos anunciantes, mas também de si, caro leitor. A sua contribuição individual é relevante.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Alemanha pede ao Reino Unido “abordagem mais realista” nas negociações do Brexit

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião