BCE carrega bazuca contra a crise com mais 600 mil milhões de euros

Lagarde reforçou o pacote de emergência de compra de ativos de 750 mil milhões de euros, lançado a 18 de março com vista a combater os efeitos da pandemia. Estendeu ainda o pacote até junho de 2021.

O Banco Central Europeu (BCE) carregou a sua bazuca com mais munições para combater os efeitos da pandemia na economia da Zona Euro. A entidade liderada por Christine Lagarde reforçou o seu programa de emergência de compra de ativos públicos e privados em 600 mil milhões de euros, alargando para 1,35 biliões de euros o poder de fogo deste mecanismo. Estendeu ainda em mais seis meses, a duração deste programa. O anúncio surge no seguimento da reunião do conselho de governadores da instituição que decorreu esta quinta-feira, onde foi também decidido não mexer nos juros de referência.

O reforço do Pandemic Emergency Purchase Programme, ou PEPP, como é designado pelo BCE, surge quase três meses do respetivo lançamento pela entidade responsável pela política monetária da Zona Euro a 18 de março. Estes 600 mil milhões de euros adicionais à semelhança dos 750 mil milhões do pacote inicial poderão ser utilizados, até junho de 2021, com o BCE a acrescentar seis meses ao prazo inicial que terminava no final deste ano, para a aquisição de todas as categorias de títulos de dívida elegíveis ao abrigo do atual programa de compra de ativos do BCE.

“Em resposta à revisão em baixa da inflação relacionada com a pandemia no horizonte de projeção, a expansão do PEPP irá facilitar ainda mais a posição de política monetária geral, suportando as condições de financiamento na economia real, em especial para os negócios e particulares”, enquadra o BCE em comunicado.

"O PEPP já demonstrou que é um programa bem-sucedido. Impediu uma espiral descendente nos mercados financeiros e reduziu os riscos.”

Christine Lagarde, presidente do BCE

Uma posição que foi reforçada por Christine Lagarde já durante a conferência de imprensa que seguiu-se à tomada de decisão. “O PEPP já demonstrou que é um programa bem-sucedido. Impediu uma espiral descendente nos mercados financeiros e reduziu os riscos”, afirmou Lagarde já durante a conferência de imprensa que se seguiu ao anúncio. Disse ainda que “devido à sua flexibilidade pode reduzir o stress dos marcados e evitar a fragmentação financeira“.

No que respeita à extensão por mais seis meses do programa, o argumento é que é “necessária para a recuperação económica”, explicando que “dar mais visibilidade e certeza sobre esse horizonte é uma boa decisão a tomar”. Christine Lagarde fez ainda questão de adiantar que a decisão de engordar e estender no tempo o PEPP “foi unânime” por parte do conselho de governadores.

A entidade liderada por Christine Lagarde dá ainda conta da intenção de reinvestir os juros deste PEPP até final de 2022. “Os pagamentos dos juros com vencimento dos títulos adquiridos sob o PEPP serão reinvestidos até pelo menos ao final de 2022”, dá nota o comunicado do BCE, acrescentando que “o roll-off do PEPP será gerido de modo a evitar interferência na orientação monetária apropriada”.

Relativamente aos restantes estímulos económicos, o banco central não procedeu a qualquer alteração. Continua a funcionar o normal programa de compra de ativos, a um ritmo mensal de 20 mil milhões de euros, aos quais acresce um envelope temporário de 120 mil milhões a ser usado também até ao final do ano.

Já no que respeita aos juros, o conselho do BCE manteve a taxa de juro aplicável às operações principais de refinanciamento e as taxas de juro aplicáveis à facilidade permanente de cedência de liquidez e à facilidade permanente de depósito inalteradas em 0,00%, 0,25% e −0,50%, respetivamente.

"A expansão do PEPP irá facilitar ainda mais a posição de política monetária geral, suportando as condições de financiamento na economia real, em especial para os negócios e particulares.”

BCE

O comunicado termina com a entidade responsável pela política monetária da Zona Euro a reiterar que “o Conselho do BCE continua pronto para ajustar todos os seus instrumentos, conforme apropriado, para garantir que a inflação avance em direção ao seu objetivo de maneira sustentada, em consonância com seu compromisso com a simetria”.

A decisão hoje anunciada pelo banco central puxou ainda mais pelo otimismo dos mercados. Os juros da dívida do países do euro estão a afundar. Taxas de Itália são as que registam as quedas mais expressivas, mas a yield das obrigações do Tesouro de Portugal também deslizam, embora se mantenha acima dos 0,5% a 10 anos.

Lagarde confiante em “boa solução” face a decisão da justiça alemã

Um dos temas incontornáveis durante a conferência de imprensa que serviu para o BCE atualizar as suas projeções económicas para a Zona Euro já com os efeitos do Covid-19, foi a decisão do Tribunal Constitucional Federal alemão que deu três meses ao BCE para corrigir o seu programa de compra de ativos.

Questionada por vários jornalistas relativamente a este tema, Lagarde deu sempre a mesma resposta, demonstrando-se segura de ser possível chegar a “uma boa solução”.

“O BCE está sujeito ao Tribunal de Justiça da União Europeia. O tribunal de Justiça Europeu considerou o PSPP (Programa de compra de dívida pública) como estando em linha com o mandato de política do BCE”, começou por dizer a esse propósito, acrescentando que o organismo que lidera “tomou nota” da decisão do Tribunal Constitucional alemão. “Estamos confiantes de que possa ser encontrada uma solução que não viole a primazia da lei europeia, a decisão do Tribunal de Justiça da União Europeia, ou comprometa a independência do BCE”, disse Lagarde.

(Notícia atualizada pela última vez às 15h20)

Quanto vale uma notícia? Contribua para o jornalismo económico independente

Quanto vale uma notícia para si? E várias? O ECO foi citado em meios internacionais como o New York Times e a Reuters por causa da notícia da suspensão de António Mexia e João Manso Neto na EDP, mas também foi o ECO a revelar a demissão de Mário Centeno e o acordo entre o Governo e os privados na TAP. E foi no ECO que leu, em primeira mão, a proposta de plano de recuperação económica de António Costa Silva.

O jornalismo faz-se, em primeiro lugar, de notícias. Isso exige investimento de capital dos acionistas, investimento comercial dos anunciantes, mas também de si, caro leitor. A sua contribuição individual é relevante.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

BCE carrega bazuca contra a crise com mais 600 mil milhões de euros

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião