Juros da dívida dos países do euro afundam com reforço da bazuca de Lagarde

BCE reforçou o programa de compras de dívida pública no contexto de pandemia num valor acima do esperado. Taxas das obrigações soberanas afundam, com Itália a ser a mais beneficiada.

Os juros da dívida do países do euro estão a afundar, com os investidores a reagirem a reforço da bazuca do Banco Central Europeu (BCE) contra a crise provocada pela pandemia. Taxas de Itália são as que registam as quedas mais expressivas, mas a yield das Obrigações do Tesouro de Portugal também deslizam, embora se mantenha acima dos 0,5% a dez anos.

A expectativa era de que o BCE pudesse reforçar o programa de compra de ativos criado especificamente para combater a crise de Covid-19 em 500 mil milhões de euros, mas Christine Lagarde surpreendeu. Não foram 500, mas sim 600 mil milhões de euros adicionais, elevando para 1.350 milhões a resposta do banco central ao vírus.

Este reforço, juntamente com a promessa de prolongar as compras até meados do próximo ano e de reinvestir os juros até ao final de 2022, teve um forte impacto nos mercados de dívida do euro.

Itália está a ser o país mais beneficiado pelo anúncio feito por Lagarde. Aquele que foi um dos países mais penalizado pela pandemia vê os juros da dívida a dez anos a afundarem 16 pontos para 1,39%, taxa que, ainda assim, se mantém acima da de 1,35% da Grécia, que cai 13 pontos.

Juros da dívida afundam com reforço da bazuca do BCE

Fonte: Bloomberg

Portugal também está a ser beneficiado por este reforço da “bazuca” do euro, com a taxa a dez anos a recuar cinco pontos para os 0,52%, mantendo-se aquém da taxa exigida pelos investidores para comprarem dívida espanhola. A yield espanhola está em 0,55% no prazo a dez anos.

A taxa das Bunds alemãs não mexe, mas neste caso continua em “terreno” negativo. A taxa a dez anos está a -0,36%, registando-se assim uma quebra da redução do risco da generalidade dos países do euro face à Alemanha.

Com este pacote de compra de ativos, o BCE consegue, assim, aliviar a pressão dos mercados sobre os títulos de dívida da generalidade dos países do euro, uma altura em que o endividamento destes se agrava em resultado das medidas adotadas para responder à crise. O BCE garante, desta forma, que os países têm acesso ao mercado e a custos controlados.

(Notícia atualizada às 12h58 com mais informação)

 

Quanto vale uma notícia? Contribua para o jornalismo económico independente

Quanto vale uma notícia para si? E várias? O ECO foi citado em meios internacionais como o New York Times e a Reuters por causa da notícia da suspensão de António Mexia e João Manso Neto na EDP, mas também foi o ECO a revelar a demissão de Mário Centeno e o acordo entre o Governo e os privados na TAP. E foi no ECO que leu, em primeira mão, a proposta de plano de recuperação económica de António Costa Silva.

O jornalismo faz-se, em primeiro lugar, de notícias. Isso exige investimento de capital dos acionistas, investimento comercial dos anunciantes, mas também de si, caro leitor. A sua contribuição individual é relevante.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Juros da dívida dos países do euro afundam com reforço da bazuca de Lagarde

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião