Mota-Engil fecha contrato de 115 milhões de euros em Angola financiado pelo Banco Mundial

  • ECO
  • 4 Junho 2020

A construtora fechou um contrato de 115 milhões de euros para construir infraestruturas de captação, tratamento e distribuição de água em Angola.

A Mota-Engil assinou esta quinta-feira um contrato de 115 milhões de euros para construir infraestruturas de captação, tratamento e distribuição de água em Angola, anunciou a empresa numa nota enviada à Comissão do Mercado de Valores Mobiliários (CMVM).

“A MOTA-ENGIL S.G.P.S., S.A. (MOTA-ENGIL) informa sobre a assinatura de um novo contrato para a construção de infraestruturas de captação, tratamento e distribuição de água (Contrato de Empreitada – Lote B1 – para a realização de Estudos, Projeto Executivo e Construção da Captação, Estação de Bombagem de Água Bruta, Conduta Elevatória de Água Bruta, Estação de Tratamento de Água, Edifícios e Instalações Auxiliares do Sistema de Distribuição)”, lê-se no comunicado.

O contrato é financiado pelo Banco Mundial e chega, no total, aos 290 milhões de euros. Destes, 115 milhões de euros cabem à Mota-Engil que fará a obra em parceira com a Soares da Costa e a Suez. No comunicado não é referida a duração da obra.

Para a construtora “o financiamento do Banco Mundial demonstra a relevância do projeto para o país”. Além disso, dá uma base ao projeto que permite a “redução de risco” para a Mota-Engil, um objetivo que “tem procurado na sua atividade comercial e de expansão nos mercados tradicionais”.

“Este novo contrato acresce a uma carteira de encomendas robusta em África e reforça a sustentabilidade do desempenho que o grupo tem mantido naquela região”, conclui a Mota-Engil.

Quanto vale uma notícia? Contribua para o jornalismo económico independente

Quanto vale uma notícia para si? E várias? O ECO foi citado em meios internacionais como o New York Times e a Reuters por causa da notícia da suspensão de António Mexia e João Manso Neto na EDP, mas também foi o ECO a revelar a demissão de Mário Centeno e o acordo entre o Governo e os privados na TAP. E foi no ECO que leu, em primeira mão, a proposta de plano de recuperação económica de António Costa Silva.

O jornalismo faz-se, em primeiro lugar, de notícias. Isso exige investimento de capital dos acionistas, investimento comercial dos anunciantes, mas também de si, caro leitor. A sua contribuição individual é relevante.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Mota-Engil fecha contrato de 115 milhões de euros em Angola financiado pelo Banco Mundial

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião