Nova aplicação da OutSystems permite seguir doentes com Covid-19 à distância na Índia

  • Lusa
  • 5 Junho 2020

Uma nova aplicação da OutSystems está a ajudar a Associação de Planeamento Familiar da Índia a seguir e acompanhar à distância casos de Covid-19 naquele país. Confinamento dificultou acesso a médicos.

A empresa OutSystems anunciou uma nova aplicação, criada para a Associação de Planeamento Familiar da Índia, que visa ajudar médicos naquele país a rastrear à distância casos de Covid-19 e a controlar os doentes. Em causa está a plataforma Covid Nirikshak, criada para a Associação de Planeamento Familiar da Índia, uma Organização Não Governamental (ONG) que gere 40 clínicas para apoio pré e pós-natal a famílias no país.

A empresa portuguesa, que tem uma plataforma de desenvolvimento mais simples e rápido de aplicações, explica que a nova solução tecnológica “surge da necessidade de rastrear casos de Covid-19 e monitorizar os pacientes, antes de poderem receber os serviços de saúde de que precisam”. “Tudo isto é feito à distância, devido às políticas de confinamento decretadas pelo governo indiano, assim como pelo facto de as equipas médicas da associação terem sido recrutadas para apoiar na luta contra a pandemia do novo coronavírus”, pode ler-se no comunicado.

Segundo a mesma fonte, antes de decretada a pandemia, as 40 clínicas da associação trabalhavam com uma equipa de 800 profissionais de saúde para chegar a 400 mil comunidades em 18 estados indianos, abrangendo 14 mil pessoas por semana. Contudo, depois de decretado o confinamento e de terem sido recrutados os profissionais da organização para a luta contra o Covid-19, “as comunidades apoiadas perderam o seu acompanhamento”, explica a empresa.

“Foi perante esta realidade, e para mitigar os seus efeitos, que me surgiu a ideia”, diz Meghana Deshpande-Bendre, membro da OutSystems, numa citação no documento. “No seio do ‘Community Response Program’, lançado pela OutSystems, criámos uma aplicação para rastrear pacientes fora das clínicas da Associação de Planeamento Familiar da Índia e permitir que pessoas que não estivessem infetadas pudessem usar os serviços com segurança, protegendo os clientes e os fornecedores”, continua Meghana Deshpande-Bendre.

Por seu lado, o vice-presidente de produto da OutSystems, Gonçalo Gaiolas, refere que a aplicação “já está a ter um impacto considerável para os pacientes da Associação de Planeamento Familiar da Índia”. A aplicação Covid Nirikshak foi criada em parceria com a Do iT Lean e com a Persistent Systems, ambos parceiros OutSystems, que mobilizaram voluntários para desenvolver esta aplicação em menos de duas semanas, indica a empresa.

O ECO recusou os subsídios do Estado. Contribua e apoie o jornalismo económico independente

O ECO decidiu rejeitar o apoio público do Estado aos media, porque discorda do modelo de subsidiação seguido, mesmo tendo em conta que servirá para pagar antecipadamente publicidade do Estado. Pelo modelo, e não pelo valor em causa, cerca de 19 mil euros. O ECO propôs outros caminhos, nunca aceitou o modelo proposto e rejeitou-o formalmente no dia seguinte à publicação do diploma que formalizou o apoio em Diário da República. Quando um Governo financia um jornal, é a independência jornalística que fica ameaçada.

Admitimos o apoio do Estado aos media em situações excecionais como a que vivemos, mas com modelos de incentivo que transfiram para o mercado, para os leitores e para os investidores comerciais ou de capital a decisão sobre que meios devem ser apoiados. A escolha seria deles, em função das suas preferências.

A nossa decisão é de princípio. Estamos apenas a ser coerentes com o nosso Manifesto Editorial, e com os nossos leitores. Somos jornalistas e continuaremos a fazer o nosso trabalho, de forma independente, a escrutinar o governo, este ou outro qualquer, e os poderes políticos e económicos. A questionar todos os dias, e nestes dias mais do que nunca, a ação governativa e a ação da oposição, as decisões de empresas e de sindicatos, o plano de recuperação da economia ou os atrasos nos pagamentos do lay-off ou das linhas de crédito, porque as perguntas nunca foram tão importantes como são agora. Porque vamos viver uma recessão sem precedentes, com consequências económicas e sociais profundas, porque os períodos de emergência são terreno fértil para abusos de quem tem o poder.

Queremos, por isso, depender apenas de si, caro leitor. E é por isso que o desafio a contribuir. Já sabe que o ECO não aceita subsídios públicos, mas não estamos imunes a uma situação de crise que se reflete na nossa receita. Por isso, o seu contributo é mais relevante neste momento.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Nova aplicação da OutSystems permite seguir doentes com Covid-19 à distância na Índia

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião