Governo não adota contact tracing. Mas Costa admite usar app

O Governo está a acompanhar o desenvolvimento de uma aplicação de rastreamento de contactos para o Covid-19. Primeiro-ministro admite vir a instalá-la "se e quando" estiver disponível.

O primeiro-ministro tem “acompanhado os trabalhos” de desenvolvimento de uma aplicação de contact tracing para smartphones em Portugal e admite instalá-la quando esta estiver disponível. António Costa diz que “o Governo não irá adotar” um sistema deste tipo em Portugal, pois o mesmo terá de ser de adesão voluntária pela população, mas sinalizou que “é uma medida de saúde pública importante”.

Em causa está a aplicação STAYAWAY, que está a ser desenvolvida pelo INESC TEC e que, como é público, já tinha sido apresentada a vários membros do Governo e até ao Presidente da República. O ECO sabe que a aplicação deverá ficar pronta até ao fim da primeira quinzena de junho, eventualmente antes, e que vai recorrer à tecnologia que foi desenvolvida em parceria pela Apple e pela Google.

“A única questão que temos para ponderar da parte do Governo, e que temos colocado ao INESC TEC, é que o aviso que é enviado de forma anónima para as pessoas que tenham estado em contacto ou na proximidade de alguém infetado seja, de alguma forma, validado por um médico, para evitar partidas”, explicou o primeiro-ministro, na conferência de imprensa de apresentação da terceira fase de desconfinamento do país.

Lembrando, como termo de comparação, que há um número “elevado” de chamadas falsas para a linha de emergência 112, o primeiro-ministro apontou que não é desejável que “um engraçadinho resolva começar a enviar alertas que gerem o pânico social”.

Assim, avançando a app como se prevê, um utilizador apenas conseguirá marcar-se como infetado por Covid-19 e emitir um alerta a quem tenha estado próximo através de algum tipo de chave que seja fornecida pelas autoridades de saúde. “A intermediação é importante para que todos os que recebam a mensagem possam ter confiança de que não é uma partida, mas que é algo que pode levar a sério”, justificou.

A aplicação do INESC TEC recorre ao Bluetooth do telemóvel para ir enviando códigos aleatórios para os telemóveis que se encontrem num raio relativamente pequeno. Ao mesmo tempo que um aparelho emite esses códigos, vai também gravando os códigos que recebe. A intenção da aplicação é que, quando um utilizador é diagnosticado com o novo coronavírus, recebe um código do médico que lhe permite dar-se como infetado, enviando um alerta automático para todos os telemóveis que tenham estado nas redondezas nos últimos 14 dias.

“A única coisa que posso dizer, não como primeiro-ministro mas como cidadão, é que se e quando existir essa aplicação, eu descarregá-la-ei no meu telemóvel e autorizarei, naturalmente, se alguma vez estiver infetado, a que sejam notificadas as pessoas que estiveram nas minhas proximidades no prazo que vier a ser fixado por essa aplicação. E também devo dizer que agradecerei ser notificado por alguém que me alerte que estive em contacto com alguém que foi dado como positivo”, disse António Costa.

Por fim, o primeiro-ministro mostrou-se confiante quanto às garantias de segurança e de privacidade deste tipo de sistemas. “Essas aplicações devem ser de uso voluntário, não devem permitir a georreferenciação das pessoas, devem respeitar o Regulamento Geral de Proteção de Dados e sabemos que já há tecnologia que permite que cada um possa descarregar livremente, que o possa fazer no total respeito pelas normas de proteção de dados”, disse. E acrescentou como linhas vermelhas o “absoluto anonimato” dos utilizadores e que as autoridades “não tenham de forma alguma acesso aos dados existentes”.

O que é o contact tracing? Perguntou, nós respondemos

O ECO recusou os subsídios do Estado. Contribua e apoie o jornalismo económico independente

O ECO decidiu rejeitar o apoio público do Estado aos media, porque discorda do modelo de subsidiação seguido, mesmo tendo em conta que servirá para pagar antecipadamente publicidade do Estado. Pelo modelo, e não pelo valor em causa, cerca de 19 mil euros. O ECO propôs outros caminhos, nunca aceitou o modelo proposto e rejeitou-o formalmente no dia seguinte à publicação do diploma que formalizou o apoio em Diário da República. Quando um Governo financia um jornal, é a independência jornalística que fica ameaçada.

Admitimos o apoio do Estado aos media em situações excecionais como a que vivemos, mas com modelos de incentivo que transfiram para o mercado, para os leitores e para os investidores comerciais ou de capital a decisão sobre que meios devem ser apoiados. A escolha seria deles, em função das suas preferências.

A nossa decisão é de princípio. Estamos apenas a ser coerentes com o nosso Manifesto Editorial, e com os nossos leitores. Somos jornalistas e continuaremos a fazer o nosso trabalho, de forma independente, a escrutinar o governo, este ou outro qualquer, e os poderes políticos e económicos. A questionar todos os dias, e nestes dias mais do que nunca, a ação governativa e a ação da oposição, as decisões de empresas e de sindicatos, o plano de recuperação da economia ou os atrasos nos pagamentos do lay-off ou das linhas de crédito, porque as perguntas nunca foram tão importantes como são agora. Porque vamos viver uma recessão sem precedentes, com consequências económicas e sociais profundas, porque os períodos de emergência são terreno fértil para abusos de quem tem o poder.

Queremos, por isso, depender apenas de si, caro leitor. E é por isso que o desafio a contribuir. Já sabe que o ECO não aceita subsídios públicos, mas não estamos imunes a uma situação de crise que se reflete na nossa receita. Por isso, o seu contributo é mais relevante neste momento.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Governo não adota contact tracing. Mas Costa admite usar app

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião