“Vai ser ministro das Finanças? Eu? Não”

  • ECO
  • 5 Junho 2020

Pedro Siza Vieira rejeita a possibilidade de vir a ser ministro das Finanças. Em entrevista ao ECO, Siza Vieira revela que o plano de estabilização económica custa cinco mil milhões de euros.

Vai ser ministro das Finanças? Eu? Não“. É assim, de forma taxativa, que Pedro Siza Vieira responde à possibilidade de vir a suceder a Mário Centeno. Em entrevista no Podcast do ECO Insider, conduzida pelos jornalistas António Costa e Pedro Santos Guerreiro, o ministro da Economia garante que tem uma prioridade, a coordenação da política económica do Governo.

“Acho essas especulações sempre muito interessantes. Há meia dúzia de meses tomei posse como ministro de Estado, da Economia e da Transição Digital, para ser o coordenador da política económica do Governo e para liderar um dos desafios estratégicos que o Governo definiu que é precisamente o da transição digital. É uma tarefa que eu abracei para o horizonte da legislatura e, portanto, é a tarefa em que estou empenhado”, responde Siza Vieira. E, mesmo perante a insistência da mudança de circunstâncias, o ministro garante: “Eu sei com o que me comprometi e qual é a minha motivação”.

Uma semana depois de conhecida a contratação de António Costa Silva para coordenar o plano de retoma da economia, Pedro Siza Vieira defende as virtudes desta solução. “Não só porque é uma pessoa com grande reflexão estratégica do país e do mundo como tem sobretudo uma grande afinidade com coisas que vão ser muito importantes para o futuro do país”. E garante que já teve reuniões de trabalho com o gestor. Siza Vieira explica que o país vai ter nos próximos três ou quatro anos dinheiro para a economia portuguesa que justifica uma análise e uma estratégia “muito focada”, no quadro do novo contexto internacional. “E quanto mais pudermos aproveitar o talento português para nos ajudar a testar ideias, melhor”.

Siza Vieira, Ministro de Estado, da Economia e Transição Digital, em entrevista ao ECOInsider - 05JUN20

 

Pedro Siza Vieira explica, nesta entrevista, os objetivos do Plano de Estabilização Económica e Social (PEES) divulgado esta quinta-feira, e revela que tem um impacto na despesa da ordem dos cinco mil milhões de euros, detalha os objetivos com o novo regime de lay-off, as linhas de crédito e a prioridade às micro e pequenas empresas, e os objetivos com o relançamento do Banco de Fomento, que vai arrancar com um capital de 255 milhões de euros.

“Não vai ser um orçamento despesista, vai ser um orçamento que tenta responder às necessidades à medida das necessidades do país nesta altura”, assegura o ministro da Economia. E acrescenta que nenhuma das medidas que está no Orçamento do Estado de 2020 é posta em causa. Mesmo assim, escusa-se a responder de forma clara se haverá novos impostos ou taxas sobre setores específicos como a banca ou a energia. “A proposta de Orçamento Suplementar será aprovada na próxima terça-feira, no conselho de ministros, e nessa altura será plenamente conhecido.

A entrevista será publicada na íntegra em video e também poderá ouvi-la em podcast, nas principais plataformas.

O ECO recusou os subsídios do Estado. Contribua e apoie o jornalismo económico independente

O ECO decidiu rejeitar o apoio público do Estado aos media, porque discorda do modelo de subsidiação seguido, mesmo tendo em conta que servirá para pagar antecipadamente publicidade do Estado. Pelo modelo, e não pelo valor em causa, cerca de 19 mil euros. O ECO propôs outros caminhos, nunca aceitou o modelo proposto e rejeitou-o formalmente no dia seguinte à publicação do diploma que formalizou o apoio em Diário da República. Quando um Governo financia um jornal, é a independência jornalística que fica ameaçada.

Admitimos o apoio do Estado aos media em situações excecionais como a que vivemos, mas com modelos de incentivo que transfiram para o mercado, para os leitores e para os investidores comerciais ou de capital a decisão sobre que meios devem ser apoiados. A escolha seria deles, em função das suas preferências.

A nossa decisão é de princípio. Estamos apenas a ser coerentes com o nosso Manifesto Editorial, e com os nossos leitores. Somos jornalistas e continuaremos a fazer o nosso trabalho, de forma independente, a escrutinar o governo, este ou outro qualquer, e os poderes políticos e económicos. A questionar todos os dias, e nestes dias mais do que nunca, a ação governativa e a ação da oposição, as decisões de empresas e de sindicatos, o plano de recuperação da economia ou os atrasos nos pagamentos do lay-off ou das linhas de crédito, porque as perguntas nunca foram tão importantes como são agora. Porque vamos viver uma recessão sem precedentes, com consequências económicas e sociais profundas, porque os períodos de emergência são terreno fértil para abusos de quem tem o poder.

Queremos, por isso, depender apenas de si, caro leitor. E é por isso que o desafio a contribuir. Já sabe que o ECO não aceita subsídios públicos, mas não estamos imunes a uma situação de crise que se reflete na nossa receita. Por isso, o seu contributo é mais relevante neste momento.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

“Vai ser ministro das Finanças? Eu? Não”

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião