Espanha assume culpa por descoordenação relativa à abertura das fronteiras

  • ECO e Lusa
  • 13 Junho 2020

Espanha chegou a anunciar a abertura das fronteiras terrestres com Portugal a 22 de junho, mas acabou por corrigir e garantir que tal não acontecerá antes de 1 de julho.

Espanha chegou a anunciar a reabertura das fronteiras terrestres com Portugal aconteceria a 22 de junho, mas o Executivo espanhol acabou por voltar atrás e confirmar que, afinal, as fronteiras não vão reabrir, pelo menos, até 1 de julho. Em declarações ao Público (acesso condicionado), os responsáveis espanhóis assumem agora inteira responsabilidade pelos discursos contraditórios, que se explicam pelas “peculiaridades internas” da vida política espanhola.

Alguns membros da diplomacia espanhola garantem que foi assegurado, entretanto, ao Governo português que não houve qualquer “má intenção”, na declaração unilateral da abertura das fronteiras a 22 de junho, isto é, sem que os responsáveis portugueses tivessem sido consultados. De resto, poucas horas depois desse anúncio, Espanha voltou atrás e deixou claro que a reabertura não deverá acontecer antes de 1 de julho.

Segundo destaca o jornal, estes discursos contraditórios refletem as dificuldades de articulação no seio do gabinete liderado por Pedro Sánchez e Pablo Iglesias. Além disso, em Espanha, o desconfinamento tem sido feito a várias velocidades, o que colocou as comunidades autónomas contra o poder central e levou mesmo a manifestações de rua a favor da liberdade de movimentos e da atividade económica.

Marcelo, Felipe VI, Costa e Sánchez juntos na reabertura de fronteiras

Presidente da República, Marcelo Rebelo de Sousa, o rei Felipe VI, e os primeiros-ministros português, António Costa, e espanhol, Pedro Sánchez, vão estar juntos na reabertura das fronteiras entre Portugal e Espanha, dia 01 de julho. Esta informação, avançada pelo jornal Expresso na edição deste sábado e foi confirmada à agência Lusa por fonte da Presidência da República.

A cerimónia terá lugar entre Caia e Badajoz, estando previsto que as comitivas portuguesa e espanhola se encontrem na fronteira e a cruzem para o lado de Espanha, para uma receção, e em seguida passem para o lado de Portugal, para um almoço, adiantou a mesma fonte.

Devido à pandemia de Covid-19, as fronteiras terrestres entre Portugal e Espanha foram encerradas às 23h00 do dia 16 de março (00h00 de dia 17 em Espanha), com nove pontos de passagem exclusivamente destinados ao transporte de mercadorias e a trabalhadores que tenham que se deslocar por razões profissionais, em termos definidos em conjunto pelos dois países.

(Notícia atualizada às 12h51)

O jornalismo continua por aqui. Contribua

Sem informação não há economia. É o acesso às notícias que permite a decisão informada dos agentes económicos, das empresas, das famílias, dos particulares. E isso só pode ser garantido com uma comunicação social independente e que escrutina as decisões dos poderes. De todos os poderes, o político, o económico, o social, o Governo, a administração pública, os reguladores, as empresas, e os poderes que se escondem e têm também muita influência no que se decide.

O país vai entrar outra vez num confinamento geral que pode significar menos informação, mais opacidade, menos transparência, tudo debaixo do argumento do estado de emergência e da pandemia. Mas ao mesmo tempo é o momento em que os decisores precisam de fazer escolhas num quadro de incerteza.

Aqui, no ECO, vamos continuar 'desconfinados'. Com todos os cuidados, claro, mas a cumprir a nossa função, e missão. A informar os empresários e gestores, os micro-empresários, os gerentes e trabalhadores independentes, os trabalhadores do setor privado e os funcionários públicos, os estudantes e empreendedores. A informar todos os que são nossos leitores e os que ainda não são. Mas vão ser.

Em breve, o ECO vai avançar com uma campanha de subscrições Premium, para aceder a todas as notícias, opinião, entrevistas, reportagens, especiais e as newsletters disponíveis apenas para assinantes. Queremos contar consigo como assinante, é também um apoio ao jornalismo económico independente.

Queremos viver do investimento dos nossos leitores, não de subsídios do Estado. Enquanto não tem a possibilidade de assinar o ECO, faça a sua contribuição.

De que forma pode contribuir? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

Obrigado,

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Espanha assume culpa por descoordenação relativa à abertura das fronteiras

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião