Depois da verde, chega a dívida azul. Dona da bolsa de Lisboa reforça aposta em produtos sustentáveis

Economia do oceano é uma das novas apostas da Euronext, que reforçou o segmento de obrigações ligadas à sustentabilidade. Lançou igualmente o índice ESG com as 80 empresas mais sustáveis da Zona Euro.

Depois das obrigações verdes, estão prestes a chegar as azuis. A Euronext, que gere a bolsa de Lisboa, está a reforçar a aposta no segmento dedicado a fatores ambientais, sociais e de governança (ESG, na sigla em inglês). Entre as novidades estão não só as obrigações ligadas à economia do mar, mas também um índice acionista que agrega as 80 grandes empresas mais sustentáveis da Europa (incluindo duas portuguesas).

O CEO da Euronext, Stéphane Boujnah, explicou que a ideia é capitalizar o “sucesso” das obrigações verdes (cujo segmento totaliza 231 emissões e conta atualmente com 54,3 mil milhões de euros admitidos à negociação) para alargar a oferta a outros tipos de obrigações sustentáveis.

Os países da Euronext têm uma tradição de pesca e transporte marítimo, têm uma posição de liderança global nos portos, uma história marítima comum, significativo turismo costeiro e marítimo e estão empenhados em limitar as alterações climáticas, proteger a biodiversidade e combater a poluição na água”, explicou Boujnah, num encontro virtual com jornalistas, esta quarta-feira.

Com o objetivo de promover as obrigações azuis — que se direcionam para o financiamento de projetos de sustentabilidade ligados à economia do mar –, a Euronext subscreveu os nove princípios de proteção dos oceanos da Organização das Nações Unidas. A empresa era já subscritora da iniciativa Sustainable Stock Exchanges também da ONU desde 2015.

Jerónimo Martins e Galp incluídas em novo índice ESG

O alargamento do segmento de dívida é só um dos novos produtos, que seguem em linha com o plano estratégico “Let’s Grow Together 2022”, no qual o ESG foi identificado como ponto-chave. Em parceria com a Vigeo Eiris Moody’s, a Euronext lançou o novo índice ESG, que agrega as 80 large caps da Zona Euro com melhor desempenho nos critérios ambientais, sociais e de governance.

A escolha de empresas é feita por critérios de exclusão e há duas portuguesas que estão incluídas: a Galp Energia e a Jerónimo Martins. Apesar de não deixarem de fora o petróleo, empresas de setores como tabaco, armas ou carvão não serão incluídas no novo índice. Este junta-se ao índice Low Carbon 100 que a Euronext tinha já lançado em 2008.

Os primeiros contratos de futuros com base no Euronext Eurozone ESG large 80 começaram a ser comercializados a 1 de junho, com o apoio de quatro market makers: BNP Paribas, DRW, Optiver e Société Générale. Por último, a Euronext anunciou ainda um novo serviço ESG para apoiar empresas cotadas em bolsa a serem mais sustentáveis.

A nossa estratégia de produtos ESG garante que os investidores possam aplicar capital de forma eficiente e transparente para apoiar projetos e empresas de elevado impacto“, acrescentou Boujnah. “Hoje marcar-se um momento importante na execução do roteiro ESG do nosso plano estratégico a três anos. A Euronext pode apoiar significativamente a agenda europeia de sustentabilidade pela via do papel único que tem no financiamento da economia real, conectando economias locais a mercados de capitais globais”.

O ECO recusou os subsídios do Estado. Contribua e apoie o jornalismo económico independente

O ECO decidiu rejeitar o apoio público do Estado aos media, porque discorda do modelo de subsidiação seguido, mesmo tendo em conta que servirá para pagar antecipadamente publicidade do Estado. Pelo modelo, e não pelo valor em causa, cerca de 19 mil euros. O ECO propôs outros caminhos, nunca aceitou o modelo proposto e rejeitou-o formalmente no dia seguinte à publicação do diploma que formalizou o apoio em Diário da República. Quando um Governo financia um jornal, é a independência jornalística que fica ameaçada.

Admitimos o apoio do Estado aos media em situações excecionais como a que vivemos, mas com modelos de incentivo que transfiram para o mercado, para os leitores e para os investidores comerciais ou de capital a decisão sobre que meios devem ser apoiados. A escolha seria deles, em função das suas preferências.

A nossa decisão é de princípio. Estamos apenas a ser coerentes com o nosso Manifesto Editorial, e com os nossos leitores. Somos jornalistas e continuaremos a fazer o nosso trabalho, de forma independente, a escrutinar o governo, este ou outro qualquer, e os poderes políticos e económicos. A questionar todos os dias, e nestes dias mais do que nunca, a ação governativa e a ação da oposição, as decisões de empresas e de sindicatos, o plano de recuperação da economia ou os atrasos nos pagamentos do lay-off ou das linhas de crédito, porque as perguntas nunca foram tão importantes como são agora. Porque vamos viver uma recessão sem precedentes, com consequências económicas e sociais profundas, porque os períodos de emergência são terreno fértil para abusos de quem tem o poder.

Queremos, por isso, depender apenas de si, caro leitor. E é por isso que o desafio a contribuir. Já sabe que o ECO não aceita subsídios públicos, mas não estamos imunes a uma situação de crise que se reflete na nossa receita. Por isso, o seu contributo é mais relevante neste momento.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Depois da verde, chega a dívida azul. Dona da bolsa de Lisboa reforça aposta em produtos sustentáveis

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião