Ponte D. Luís I fechada, lojas e cafés encerram às 19h e transportes páram no S. João. Jogo FCP pode ser adiado

Para evitar festejos e ajuntamentos no S. João, as Câmaras do Porto e Vila Nova de Gaia tomaram medidas e reforçou a fiscalização para garantir que estas são cumpridas.

Depois de Lisboa ter tomado medidas para evitar ajuntamentos durante os Santos Populares, também as Câmaras do Porto e Gaia se prepararam nesse sentido para o S. João. A famosa ponte D. Luís I, que liga o Porto a Vila Nova de Gaia, vai estar encerrada e cafés e lojas de conveniência encerrarão mais cedo. Haverá polícia na rua a garantir o cumprimento destas medidas, que pretendem evitar focos de infeção de coronavírus.

As autarquias do Porto e Vila Nova de Gaia uniram-se para controlar os festejos naquela que é uma das noites mais famosas e concorridas da Invicta, o S. João, a 23 de junho. Assim, foram tomadas medidas para evitar ajuntamentos, de forma a não pôr em causa os “resultados muito positivos” que as duas cidades têm vindo a registar na luta contra o coronavírus, refere a autarquia do Porto, em comunicado.

Assim, na noite de 23 de junho, aqueles que rumarem à Invicta vão deparar-se com algumas diferenças:

  • A ponte D. Luís I vai estar encerrada tanto para automóveis como para as pessoas, “em ambos os tabuleiros”;
  • Restaurantes, bares, cafés, pastelarias e lojas de conveniência vão encerrar às 19h e não podem ter clientes no interior;
  • O metro do Porto vai deixar de funcionar mais cedo do que o habitual;
  • A CP (comboios) está a estudar a supressão entre as estações de Campanhã e São Bento;
  • A STCP (autocarros) está a avaliar a supressão das linhas de madrugada;
  • As ações de fiscalização, patrulhamento e gestão de limpeza urbana serão reforçadas.

Além destas medidas, as autarquias vão falar pedir ao Governo, às autoridades de saúde e à Liga Portugal o adiamento do jogo de futebol marcado para essa noite entre o FC Porto e o Boavista, uma vez que “segundo o parecer da PSP, o encontro poderá ser um foco de concentração indesejado de adeptos”.

Ambas as autarquias já tinham anunciado no início de abril o cancelamento de todas as festividades oficiais do São João, nomeadamente concertos e o fogo-de-artifício tradicional no Rio Douro. E, este ano, para além destas medidas, estará em vigor nas ruas uma campanha publicitária “apelando a comportamentos responsáveis”.

O ECO recusou os subsídios do Estado. Contribua e apoie o jornalismo económico independente

O ECO decidiu rejeitar o apoio público do Estado aos media, porque discorda do modelo de subsidiação seguido, mesmo tendo em conta que servirá para pagar antecipadamente publicidade do Estado. Pelo modelo, e não pelo valor em causa, cerca de 19 mil euros. O ECO propôs outros caminhos, nunca aceitou o modelo proposto e rejeitou-o formalmente no dia seguinte à publicação do diploma que formalizou o apoio em Diário da República. Quando um Governo financia um jornal, é a independência jornalística que fica ameaçada.

Admitimos o apoio do Estado aos media em situações excecionais como a que vivemos, mas com modelos de incentivo que transfiram para o mercado, para os leitores e para os investidores comerciais ou de capital a decisão sobre que meios devem ser apoiados. A escolha seria deles, em função das suas preferências.

A nossa decisão é de princípio. Estamos apenas a ser coerentes com o nosso Manifesto Editorial, e com os nossos leitores. Somos jornalistas e continuaremos a fazer o nosso trabalho, de forma independente, a escrutinar o governo, este ou outro qualquer, e os poderes políticos e económicos. A questionar todos os dias, e nestes dias mais do que nunca, a ação governativa e a ação da oposição, as decisões de empresas e de sindicatos, o plano de recuperação da economia ou os atrasos nos pagamentos do lay-off ou das linhas de crédito, porque as perguntas nunca foram tão importantes como são agora. Porque vamos viver uma recessão sem precedentes, com consequências económicas e sociais profundas, porque os períodos de emergência são terreno fértil para abusos de quem tem o poder.

Queremos, por isso, depender apenas de si, caro leitor. E é por isso que o desafio a contribuir. Já sabe que o ECO não aceita subsídios públicos, mas não estamos imunes a uma situação de crise que se reflete na nossa receita. Por isso, o seu contributo é mais relevante neste momento.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Ponte D. Luís I fechada, lojas e cafés encerram às 19h e transportes páram no S. João. Jogo FCP pode ser adiado

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião