Insurance Europe aponta excesso normativo nos PPR europeus

  • ECO Seguros
  • 18 Junho 2020

A federação europeia de seguros pede ao regulador europeu do setor clarificação e simplificação das normas que se aplicarão ao reporte e supervisão do novo produto individual de reforma pan-europeu.

Em resposta a consulta pública lançada pela autoridade europeia de supervisão (EIOPA) a patronal europeia de seguros manifesta preocupação pelo excesso de normas técnicas que se colocam para o quadro de supervisão do Produto Individual de Reforma Pan-Europeu (PEPP na sigla anglo-saxónica, às vezes também referenciados como PPR europeus ou PIRPE).

Em comunicado (que responde à consulta), a federação europeia das associações de seguros (Insurance Europe) sugere que a Autoridade Europeia dos Seguros e Pensões Complementares de Reforma (EIOPA) deve simplificar e clarificar os requisitos de reporte destes produtos por forma a evitar uma sobrecarga – desproporcionada e com custos acrescidos – para as seguradoras.

A consulta da EIOPA versa sobre normas técnicas de implementação para apresentação de relatórios de supervisão, a cooperação e o intercâmbio de informações entre autoridades para os PEPP. Segundo argumenta a organização da indústria, as seguradoras já estão sujeitas a um controlo especial no âmbito do quadro regulatório de Solvência II.

Assim, com referência à frequência de reportes de informação sobre os novos produtos de poupança, a organização europeia de seguros considera que um reporte anual seria o bastante para a supervisão dos PEPP. Por isso, a Insurance Europe solicita que a EIOPA defina com exatidão qual o quantitativo de informação que deve ser remetido à supervisão.

Ainda, de acordo com a Insurance Europe, a granularidade de informação exigida (ao nível dos PEPP) mostra-se excessivamente pesada e arrisca conflituar com o quadro normativo setorial aplicável aos prestadores e com o próprio regulamento europeu dos PEPP.

Com base neste conjunto de observações, a patronal europeia de seguros pede que a EIOPA clarifique diversos elementos do regulamento no que refere à supervisão dos PPR europeus de modo a garantir segurança jurídica e uma implementação coerente dos novos produtos por toda a União Europeia.

Um PEPP é um produto individual de reforma não profissional, subscrito voluntariamente por um aforrador em PEPP com vista à reforma. Dado que um PEPP deverá prever uma acumulação de capital a longo prazo, as possibilidades de levantamento antecipado de capital deverão ser limitadas e poderão ser penalizadas”, institui o Regulamento da União Europeia que criou os PPR europeus.

A implementação deste produto na UE está a ser acompanhada pela supervisão portuguesa (ASF), que integra a EIOPA, e a respetiva criação é objeto de um regulamento aprovado pela Conselho Europeu em julho de 2019.

De acordo com considerações introdutórias do regulamento aprovado pelo Parlamento Europeu e pelo Conselho de ministros da UE, mais de 11 milhões de cidadãos da União em idade ativa (20-64 anos de idade) residiam – em 2015 – num Estado-Membro diferente do Estado-Membro de que são nacionais, e 1,3 milhões desses cidadãos trabalhavam num Estado-Membro distinto do seu país de residência.

Um Produto Individual de Reforma Pan-Europeu (PEPP, do inglês pan-European Personal Pension Product) portável com uma natureza de reforma a longo prazo aumentará a sua atratividade enquanto produto, em especial para os jovens e os trabalhadores móveis, e ajudará a facilitar ainda mais o direito dos cidadãos da União a viver e trabalhar em toda a União”, realça o documento legislativo das instituições europeias.

 

 

O jornalismo continua por aqui. Contribua

Sem informação não há economia. É o acesso às notícias que permite a decisão informada dos agentes económicos, das empresas, das famílias, dos particulares. E isso só pode ser garantido com uma comunicação social independente e que escrutina as decisões dos poderes. De todos os poderes, o político, o económico, o social, o Governo, a administração pública, os reguladores, as empresas, e os poderes que se escondem e têm também muita influência no que se decide.

O país vai entrar outra vez num confinamento geral que pode significar menos informação, mais opacidade, menos transparência, tudo debaixo do argumento do estado de emergência e da pandemia. Mas ao mesmo tempo é o momento em que os decisores precisam de fazer escolhas num quadro de incerteza.

Aqui, no ECO, vamos continuar 'desconfinados'. Com todos os cuidados, claro, mas a cumprir a nossa função, e missão. A informar os empresários e gestores, os micro-empresários, os gerentes e trabalhadores independentes, os trabalhadores do setor privado e os funcionários públicos, os estudantes e empreendedores. A informar todos os que são nossos leitores e os que ainda não são. Mas vão ser.

Em breve, o ECO vai avançar com uma campanha de subscrições Premium, para aceder a todas as notícias, opinião, entrevistas, reportagens, especiais e as newsletters disponíveis apenas para assinantes. Queremos contar consigo como assinante, é também um apoio ao jornalismo económico independente.

Queremos viver do investimento dos nossos leitores, não de subsídios do Estado. Enquanto não tem a possibilidade de assinar o ECO, faça a sua contribuição.

De que forma pode contribuir? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

Obrigado,

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Insurance Europe aponta excesso normativo nos PPR europeus

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião