Confiança empresarial na Alemanha sobe em junho com “luz ao fundo do túnel”

  • Lusa
  • 24 Junho 2020

O índice de confiança empresarial do instituto de investigação económica alemão para a Alemanha subiu para 86,2 pontos em junho, contra 79,7 pontos em maio, a maior subida de sempre.

A confiança empresarial voltou a aumentar em junho na Alemanha porque “a economia alemã vê ‘luz’ ao fundo do túnel” após o colapso em abril resultante das medidas de contenção adotadas para travar a pandemia, foi esta quarta-feira anunciado.

O índice de confiança empresarial do instituto de investigação económica alemão (Ifo) para toda a Alemanha subiu para 86,2 pontos em junho, contra 79,7 pontos em maio, a maior subida de sempre.

“As empresas consultadas pelo Ifo avaliaram um pouco melhor a sua situação atual e as suas expectativas também deram um claro salto para cima”, disse o presidente do Ifo, Clemens Fuest.

No setor transformador, a confiança das empresas voltou a melhorar significativamente, porque as expectativas das empresas industriais melhoraram. Até agora, as expectativas nunca tinham subido tão abruptamente.

No entanto, a maioria das empresas ainda avalia a sua situação atual como “pobre”.

No setor dos serviços, a confiança das empresas continuou a aumentar em junho, uma vez que o pessimismo em torno dos próximos seis meses foi significativamente reduzido e a avaliação da situação atual melhorou também significativamente.

No comércio, a confiança das empresas também aumentou significativamente, embora muitos comerciantes esperem maus negócios.”Neste momento, o ambiente no setor retalhista é menos pessimista do que no setor grossista“, segundo Fuest.

Na construção, a confiança das empresas também melhorou porque as expectativas eram menos pessimistas. Além disso, as empresas de construção avaliam a sua situação atual um pouco melhor do que no mês passado.

Quanto vale uma notícia? Contribua para o jornalismo económico independente

Quanto vale uma notícia para si? E várias? O ECO foi citado em meios internacionais como o New York Times e a Reuters por causa da notícia da suspensão de António Mexia e João Manso Neto na EDP, mas também foi o ECO a revelar a demissão de Mário Centeno e o acordo entre o Governo e os privados na TAP. E foi no ECO que leu, em primeira mão, a proposta de plano de recuperação económica de António Costa Silva.

O jornalismo faz-se, em primeiro lugar, de notícias. Isso exige investimento de capital dos acionistas, investimento comercial dos anunciantes, mas também de si, caro leitor. A sua contribuição individual é relevante.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Confiança empresarial na Alemanha sobe em junho com “luz ao fundo do túnel”

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião