MEO mais humano e sensorial

“Liga-te de novo. Liga-te à vida” com o MEO é o novo posicionamento da marca e acompanha a campanha assinada pela Partners, que pretende mobilizar os portugueses, com emoção e através dos sentidos.

O MEO, marca de consumo da Altice Portugal, pretende que os portugueses se liguem, de novo, à vida, depois dos tempos transformadores, únicos e de mudança que vivemos. Uma mobilização nacional através daquilo que considera que “nos é mais característico enquanto humanos, o emocional e o sensorial”.

Depois de em pleno lockdown, através da tecnologia, ter permitido a comunicação entre família, amigos e trabalho, a marca diz: Chegou o momento de “nos ligarmos de novo, de nos ligarmos à vida”. Até porque, “os tempos vividos trouxeram uma mudança de paradigma e de perceção da tecnologia e do papel da mesma na nossa vida” e é na humanização da tecnologia e no pilar da proximidade que reside a grande aposta do grupo.

O novo posicionamento apresentado e a nova campanha institucional — “Liga-te de novo. Liga-te à vida” — pretende dar o mote para um momento que se quer de recuperação do país, de reinvenção face aos novos desafios, de recuperação da ligação à família, aos amigos, ao trabalho, à música, ao desporto, aos sentidos, mas acima de tudo, de redescoberta de sensações que dão significado à palavra viver.

Durante seis dias, ao longo de mais de 64 horas de rodagem, cerca de 120 pessoas trabalharam na nova campanha, que por curiosidade, teve um guarda-roupa de quarentena e desinfetado em câmara de ozono em carrinha antes de cada utilização. Uma campanha que desenvolve e materializa uma nova dimensão multissensorial enquanto premissa de uma maior envolvência e humanização da marca, através de uma fragrância única, de uma nova identidade sonora e de novos sabores.

A marca assume-se como uma das primeiras em Portugal a trabalhar a sua identidade multissensorial e a primeira a desenvolver uma identidade sonora binaural em 8D (efeito 360 e esférico). Uma identidade olfativa, auditiva e gustativa inspirada na personalidade MEO e que enquanto experiência sensorial vai ser vivida nas sua lojas. Para isso trabalhou na fragrância com o perfumista Lourenço Lucena, a identidade gustativa de rebuçados com o Chef Chakall e o café da Simpli Coffee também foi criado exclusivamente para este novo momento na vida da marca. Já a música “HEYO” foi criada e produzida nos EUA, no 1908 SCORING STUDIOS, em Bevery Hills.

Com este reposicionamento, os sentidos surgem como um passo natural na evolução da humanização da marca e uma oportunidade única para materializar o seu propósito, desafiando as pessoas para novas experiências e novas oportunidades, mesmo que para isso seja necessário sair da zona de conforto. Uma nova estratégia que chega acompanhada de novos embaixadores como Armindo Araújo, Carolina Deslandes, Cristiano Ronaldo, Frederico Morais, João Sousa e Miguel Oliveira.

O ECO recusou os subsídios do Estado. Contribua e apoie o jornalismo económico independente

O ECO decidiu rejeitar o apoio público do Estado aos media, porque discorda do modelo de subsidiação seguido, mesmo tendo em conta que servirá para pagar antecipadamente publicidade do Estado. Pelo modelo, e não pelo valor em causa, cerca de 19 mil euros. O ECO propôs outros caminhos, nunca aceitou o modelo proposto e rejeitou-o formalmente no dia seguinte à publicação do diploma que formalizou o apoio em Diário da República. Quando um Governo financia um jornal, é a independência jornalística que fica ameaçada.

Admitimos o apoio do Estado aos media em situações excecionais como a que vivemos, mas com modelos de incentivo que transfiram para o mercado, para os leitores e para os investidores comerciais ou de capital a decisão sobre que meios devem ser apoiados. A escolha seria deles, em função das suas preferências.

A nossa decisão é de princípio. Estamos apenas a ser coerentes com o nosso Manifesto Editorial, e com os nossos leitores. Somos jornalistas e continuaremos a fazer o nosso trabalho, de forma independente, a escrutinar o governo, este ou outro qualquer, e os poderes políticos e económicos. A questionar todos os dias, e nestes dias mais do que nunca, a ação governativa e a ação da oposição, as decisões de empresas e de sindicatos, o plano de recuperação da economia ou os atrasos nos pagamentos do lay-off ou das linhas de crédito, porque as perguntas nunca foram tão importantes como são agora. Porque vamos viver uma recessão sem precedentes, com consequências económicas e sociais profundas, porque os períodos de emergência são terreno fértil para abusos de quem tem o poder.

Queremos, por isso, depender apenas de si, caro leitor. E é por isso que o desafio a contribuir. Já sabe que o ECO não aceita subsídios públicos, mas não estamos imunes a uma situação de crise que se reflete na nossa receita. Por isso, o seu contributo é mais relevante neste momento.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

MEO mais humano e sensorial

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião