Álvarez-Pallete, presidente da Telefónica: “As estrelas estão a alinhar-se para a consolidação das telecomunicações” na Europa

  • Europa Press
  • 26 Junho 2020

O presidente-executivo da espanhola Telefónica anticipa uma maior consolidação no setor europeu das telecomunicações e um papel importante da operadora que dirige.

O presidente executivo da Telefónica, José María Álvarez-Pallete, antecipou um novo processo de consolidação no setor europeu das telecomunicações, onde assegurou que a empresa a que preside vai desempenhar “um papel importante”.

Numa entrevista ao jornal Financial Times, Alvarez-Pallete revelou que algo “está a mudar” na Europa e no horizonte do setor das telecomunicações. “As estrelas estão a alinhar-se para a consolidação das telecomunicações”, afirmou.

Assim, previu menos restrições às fusões entre empresas europeias do setor do que as impostas até agora por Bruxelas, na sequência da recente decisão do Tribunal de Justiça da União Europeia de anular a decisão da Comissão Europeia de 2016 de vetar a aquisição da filial britânica da Telefónica, O2, pela Hutchison (Three).

“Penso que as regras da concorrência vão ser lidas de forma diferente”, disse Álvarez-Pallete, salientando que a Telefónica já não está apenas a competir com os jogadores tradicionais, mas também com outros como a WhatsApp, Facebook e Facetime.

“Os tempos mudaram. Não faz sentido que existam centenas de operadoras de telecomunicações na Europa“, comentou o presidente da Telefónica, que recordou que em grandes mercados como os Estados Unidos da América e a China existem agora apenas três grandes operadoras.

A este respeito, constatou-se que as regras de concorrência da União Europeia reduziram os lucros das empresas europeias, o que dificultou que investissem e enfrentassem as gigantes tecnológicas norte-americanas.

Maior valorização do setor

Por outro lado, Álvarez-Pallete indicou que operações recentes como a fusão da sua filial no Reino Unido O2 com a Liberty Global, detida pela Virgin Media, e a Oferta Pública de Aquisição (OPA) lançada pelos fundos KKR, Cinven e Providence à MásMóvil são prova do “valor escondido” das operadoras de telecomunicações europeias.

O presidente executivo da Telefónica admitiu que o bloqueio da Comissão Europeia à venda da O2 à Three acabou por beneficiar o grupo, uma vez que o acordo alcançado este ano com a Liberty Global representa uma “valorização significativamente mais elevada” do que a alcançada em 2015 com a Huchinson.

Salientou ainda que tanto esta fusão da O2 como a Virgin Media no Reino Unido, como a OPA dos fundos pela MásMóvil foram “os primeiros passos de uma tendência” para desbloquear valorizações mais elevadas de empresas europeias de telecomunicações.

O ECO recusou os subsídios do Estado. Contribua e apoie o jornalismo económico independente

O ECO decidiu rejeitar o apoio público do Estado aos media, porque discorda do modelo de subsidiação seguido, mesmo tendo em conta que servirá para pagar antecipadamente publicidade do Estado. Pelo modelo, e não pelo valor em causa, cerca de 19 mil euros. O ECO propôs outros caminhos, nunca aceitou o modelo proposto e rejeitou-o formalmente no dia seguinte à publicação do diploma que formalizou o apoio em Diário da República. Quando um Governo financia um jornal, é a independência jornalística que fica ameaçada.

Admitimos o apoio do Estado aos media em situações excecionais como a que vivemos, mas com modelos de incentivo que transfiram para o mercado, para os leitores e para os investidores comerciais ou de capital a decisão sobre que meios devem ser apoiados. A escolha seria deles, em função das suas preferências.

A nossa decisão é de princípio. Estamos apenas a ser coerentes com o nosso Manifesto Editorial, e com os nossos leitores. Somos jornalistas e continuaremos a fazer o nosso trabalho, de forma independente, a escrutinar o governo, este ou outro qualquer, e os poderes políticos e económicos. A questionar todos os dias, e nestes dias mais do que nunca, a ação governativa e a ação da oposição, as decisões de empresas e de sindicatos, o plano de recuperação da economia ou os atrasos nos pagamentos do lay-off ou das linhas de crédito, porque as perguntas nunca foram tão importantes como são agora. Porque vamos viver uma recessão sem precedentes, com consequências económicas e sociais profundas, porque os períodos de emergência são terreno fértil para abusos de quem tem o poder.

Queremos, por isso, depender apenas de si, caro leitor. E é por isso que o desafio a contribuir. Já sabe que o ECO não aceita subsídios públicos, mas não estamos imunes a uma situação de crise que se reflete na nossa receita. Por isso, o seu contributo é mais relevante neste momento.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Álvarez-Pallete, presidente da Telefónica: “As estrelas estão a alinhar-se para a consolidação das telecomunicações” na Europa

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião