Já saíram mais de 3 milhões de carros da Autoeuropa. Fábrica celebra com o T-Roc

Fábrica de Palmela celebrou a produção do veículo 3.000.000. Marco foi alcançado a 25 de junho.

A Autoeuropa chegou à marca dos 3.000.000 de automóveis produzidos. Este marco, para o qual tem contribuído o sucesso do T-Roc, fabricado em Palmela, foi alcançado a 25 de junho, meses depois daquela que era a previsão da empresa. A pandemia, que forçou o encerramento da unidade, adiou a celebração.

“A 25 de junho chegámos aos três milhões de unidades produzidas“, refere a fábrica numa publicação partilhada através das redes sociais, que remete para um artigo que marca o acontecimento. Inicialmente, este número deveria ter sido atingido em abril, mas depois veio a pandemia do novo coronavírus.

Este número redondo é celebrado pela Autoeuropa com uma imagem do T-Roc, o SUV da Volkswagen que tem ajudado a fábrica de Palmela a alcançar recordes de produção. No ano passado, a unidade produziu 256.878 unidades, bem acima dos 223.200 veículos que saíram da Autoeuropa no ano anterior, tendo passado a ser a maior exportadora do país.

“Celebramos juntos (e em segurança) com os nossos colaboradores. Graças ao seu empenho, resiliência e profissionalismo retomamos a atividade durante uma crise sanitária sem precedentes”, diz a empresa, que revela que foram precisos apenas sete anos para passar da marca dos 2.000.000 para esta, a dos 3.000.000.

Dia 16 de junho de 2003 celebrámos 1.000.000 de carros produzidos. “Dez anos depois, a 1 de julho de 2013, os monitores na montagem marcaram 2.000.000 de unidades produzidas desde o arranque da fábrica em 1995. A fábrica já fazia quatro modelos, Sharan, Eos, Scirocco e SEAT Alhambra, mas adivinhava-se que, em breve, passaria a sair mais um da sua linha de montagem: o T-Roc”, recorda.

Quanto vale uma notícia? Contribua para o jornalismo económico independente

Quanto vale uma notícia para si? E várias? O ECO foi citado em meios internacionais como o New York Times e a Reuters por causa da notícia da suspensão de António Mexia e João Manso Neto na EDP, mas também foi o ECO a revelar a demissão de Mário Centeno e o acordo entre o Governo e os privados na TAP. E foi no ECO que leu, em primeira mão, a proposta de plano de recuperação económica de António Costa Silva.

O jornalismo faz-se, em primeiro lugar, de notícias. Isso exige investimento de capital dos acionistas, investimento comercial dos anunciantes, mas também de si, caro leitor. A sua contribuição individual é relevante.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Já saíram mais de 3 milhões de carros da Autoeuropa. Fábrica celebra com o T-Roc

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião