Resseguro: Covid-19 e furacões no Atlântico fazem de 2020 o ano mais caro de sempre

  • ECO Seguros
  • 29 Junho 2020

A indústria seguradora continua sem poder determinar a magnitude dos prejuízos do impacto da pandemia, mas já reconhece que se trata de catástrofe de evolução lenta e causa de incerteza prolongada

Cem mil milhões de dólares em perdas nos setores de seguro e resseguro é um limiar admitido por diversas fontes. Mas, dependendo da intensidade das catástrofes naturais (nat cats na sigla anglo-saxónica) no resto do ano e da agressividade da pandemia, o prejuízo irá além dos 160 mil milhões (cerca de 142,6 mil milhões de euros), aponta um documento da Guy Carpenter (GC), empresa do grupo Marsh & McLennan Companies (MMC).

O potencial de perdas para 2020 não tem precedente na indústria de seguro e resseguros e será tão elevado quanto maior for a soma dos danos da época dos furacões no Atlântico com o prejuízo causado pela pandemia nos segmentos Vida e não Vida e que, nesta altura ainda, se situam num intervalo de variação consideravelmente largo, observa a corretora de resseguro e especialista em análise de catástrofes e gestão de risco.

De acordo com a GC, 2005, 2011 e 2017 foram os únicos anos com perdas seguradas acima dos 100 mil milhões de dólares. Munindo-se de números de entidades como a Swiss Re, Lloyd´s of London, sala de mercados do Bank of America e a Dowling & Partners, o gráfico apresentado pela Guy Carpenter eleva a projeção de perdas potenciais para um nível sem precedente.

As perdas de catástrofes naturais já registadas (acrescidas de prejuízo médio por Nat cats na segunda metade do ano) somados ainda os custos do “cenário mais conservador de impacto da covid-19” já supera os 100 mil milhões. Quando se considera um “impacto mais agressivo da pandemia”, cujo montante ainda se desconhece, a projeção da GC alcança os 160 mil milhões, fazendo de 2020 “o ano mais caro de sempre e a colocar à prova os limites de resiliência de capital” de muitas seguradoras.

Mas, “levará algum tempo até que as estimativas possam ser consideradas mais precisas e mais próximas da realidade”, nota a companhia.

Apesar de tudo, a Guy Carpenter identifica o que designa como “fatores de compensação” em certas linhas de negócio (por exemplo em automóveis particulares e frotas, que beneficiaram da diminuição de taxa de sinistralidade no período de confinamento).

Além disso, afirma a companhia, os fundamentais do resseguro permanecem fortes: a base de capital das empresas do setor tem resistido à volatilidade do mercado financeiro e existem oportunidades para os operadores fortemente capitalizados desenvolverem novas soluções em linhas de negócio desafiantes, sugere o documento da GC.

O ECO recusou os subsídios do Estado. Contribua e apoie o jornalismo económico independente

O ECO decidiu rejeitar o apoio público do Estado aos media, porque discorda do modelo de subsidiação seguido, mesmo tendo em conta que servirá para pagar antecipadamente publicidade do Estado. Pelo modelo, e não pelo valor em causa, cerca de 19 mil euros. O ECO propôs outros caminhos, nunca aceitou o modelo proposto e rejeitou-o formalmente no dia seguinte à publicação do diploma que formalizou o apoio em Diário da República. Quando um Governo financia um jornal, é a independência jornalística que fica ameaçada.

Admitimos o apoio do Estado aos media em situações excecionais como a que vivemos, mas com modelos de incentivo que transfiram para o mercado, para os leitores e para os investidores comerciais ou de capital a decisão sobre que meios devem ser apoiados. A escolha seria deles, em função das suas preferências.

A nossa decisão é de princípio. Estamos apenas a ser coerentes com o nosso Manifesto Editorial, e com os nossos leitores. Somos jornalistas e continuaremos a fazer o nosso trabalho, de forma independente, a escrutinar o governo, este ou outro qualquer, e os poderes políticos e económicos. A questionar todos os dias, e nestes dias mais do que nunca, a ação governativa e a ação da oposição, as decisões de empresas e de sindicatos, o plano de recuperação da economia ou os atrasos nos pagamentos do lay-off ou das linhas de crédito, porque as perguntas nunca foram tão importantes como são agora. Porque vamos viver uma recessão sem precedentes, com consequências económicas e sociais profundas, porque os períodos de emergência são terreno fértil para abusos de quem tem o poder.

Queremos, por isso, depender apenas de si, caro leitor. E é por isso que o desafio a contribuir. Já sabe que o ECO não aceita subsídios públicos, mas não estamos imunes a uma situação de crise que se reflete na nossa receita. Por isso, o seu contributo é mais relevante neste momento.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Resseguro: Covid-19 e furacões no Atlântico fazem de 2020 o ano mais caro de sempre

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião