Portugal emite 4 mil milhões em dívida a 15 anos. Pagará juro de 0,9%

Portugal esteve no mercado esta quarta-feira, tendo conseguido emitir 4 mil milhões de euros de dívida a 15 anos com apoio de um sindicato de bancos. Irá pagar uma taxa de juro de 0,9%.

Portugal esteve esta quarta-feira no mercado para obter um empréstimo junto dos mercados através de uma emissão de dívida a 15 anos que contou com a ajuda de um sindicato bancário. Nesta operação conseguiu emitir 4 mil milhões de euros, numa operação que contou com uma procura de mais de 40 mil milhões de euros. O Tesouro irá pagar uma taxa de juro de 0,9%.

De acordo com o site IFR, a operação contava com um prémio de risco inicial de 92 pontos base, mas o forte interesse do mercado nesta emissão fez baixar o spread em 4 pontos base, para 88 pontos base. A este prémio de risco deve ser somado a taxa de mid swap do euro a 15 anos, que está nos 0,02%. Ou seja, a taxa de juro a pagar por Portugal fixou-se nos 0,90%.

Após fechados os livros, o resultado final da operação deverá ser divulgado ainda esta quarta-feira pelo IGCP, sendo que os dados disponíveis neste momento indicam que a procura terá sido de 41 mil milhões de euros, a que acrescem 2,35 mil milhões de euros por parte dos bancos. Caberá agora à entidade liderada por Cristina Casalinho fazer o encontro entre a oferta disponível e o montante procurado.

Esta operação é idêntica àquela que o IGCP realiza todos os anos nos primeiros meses do ano, que tem permitido ao país assegurar logo grande parte das necessidades de financiamento em cada exercício. Habitualmente são obtidos cerca de três a quatro mil milhões de euros. O valor angariado pelo Tesouro esta quarta-feira vai ao encontro dessas operações.

A agência liderada por Cristina Casalinho realizou esta emissão com recurso a um sindicato bancário do qual fazem parte o Caixa BI, Credit Agricole, Deutsche Bank, Goldman Sachs, JP Morgan e Nomura.

(Notícia atualizada pela última vez às 12h35)

Quanto vale uma notícia? Contribua para o jornalismo económico independente

Quanto vale uma notícia para si? E várias? O ECO foi citado em meios internacionais como o New York Times e a Reuters por causa da notícia da suspensão de António Mexia e João Manso Neto na EDP, mas também foi o ECO a revelar a demissão de Mário Centeno e o acordo entre o Governo e os privados na TAP. E foi no ECO que leu, em primeira mão, a proposta de plano de recuperação económica de António Costa Silva.

O jornalismo faz-se, em primeiro lugar, de notícias. Isso exige investimento de capital dos acionistas, investimento comercial dos anunciantes, mas também de si, caro leitor. A sua contribuição individual é relevante.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Portugal emite 4 mil milhões em dívida a 15 anos. Pagará juro de 0,9%

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião