Quatro em cada cinco empresas de alojamento e restauração já estão a trabalhar

Na segunda quinzena de junho, 96% das empresas já estavam a trabalhar, sendo notória a aceleração da retoma no setor do alojamento e restauração.

À medida que a economia desconfina, o número de empresas a retomar a atividade aproxima-se da normalidade. Na segunda quinzena de junho, já 96% das empresas estavam a trabalhar, sendo mais notória a aceleração da retoma da atividade das empresas do setor de alojamento e restauração. Na segunda metade de junho, quatro em cada cinco empresas do setor já estava a trabalhar.

De acordo com o Inquérito Rápido e Excecional às Empresas – Covid-19, relativo à segunda quinzena do mês de junho, elaborado pelo Instituto Nacional de Estatística (INE) em colaboração com o Banco de Portugal, o número de empresas em atividade aumentou em um ponto percentual face à quinzena anterior, passando para os 96%.

No caso concreto do setor de alojamento e restauração o salto foi maior. O número de empresas a operar aumentou em cinco pontos percentuais, passando para 82%. Ou seja, quatro em cada cinco já estavam em funcionamento. Evolução a que não será alheia a retoma de atividade turística e a reabertura de muitas unidades hoteleiras.

Em comparação com a primeira quinzena de junho, a maioria das empresas não reportou alteração no número de pessoas ao serviço (72%), mas no caso do setor de alojamento e restauração destacou-se pela positiva.

“O Alojamento e restauração foi o setor que registou a maior percentagem de empresas com aumento no pessoal ao serviço face à quinzena anterior (33%), na maioria dos casos devido à redução do número de pessoas em lay-off“, diz ainda as conclusões do inquérito a este propósito.

Os dados globais apontam ainda para que 46% das empresas respondentes tinham pessoas em teletrabalho na segunda quinzena de junho, uma quebra muito ligeira face à quinzena anterior (menos um ponto percentual). Mais de 55% das empresas não preveem ainda o recurso às medidas de apoio do Governo excluindo o lay-off simplificado.

Quanto vale uma notícia? Contribua para o jornalismo económico independente

Quanto vale uma notícia para si? E várias? O ECO foi citado em meios internacionais como o New York Times e a Reuters por causa da notícia da suspensão de António Mexia e João Manso Neto na EDP, mas também foi o ECO a revelar a demissão de Mário Centeno e o acordo entre o Governo e os privados na TAP. E foi no ECO que leu, em primeira mão, a proposta de plano de recuperação económica de António Costa Silva.

O jornalismo faz-se, em primeiro lugar, de notícias. Isso exige investimento de capital dos acionistas, investimento comercial dos anunciantes, mas também de si, caro leitor. A sua contribuição individual é relevante.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Quatro em cada cinco empresas de alojamento e restauração já estão a trabalhar

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião