Tem carro elétrico? Prepare-se para começar a pagar pelos carregamentos

Todos os postos de carregamento passam a ser pagos. Custos serão suportados pelos cerca de 40 mil utilizadores de veículos elétricos e híbridos plug-in que existem a circular nas estradas nacionais.

Quem tem carro elétrico, já não vai conseguir carregá-lo sem pagar. Depois de ter acabado a “borla” nos postos de carregamento rápido, chega agora a vez de também os postos de carregamento normal passarem a ser pagos. Arranca esta quarta-feira, 1 de julho, a cobrança da energia consumida por estes consumidores.

Os postos de carregamento rápido, bem como os carregadores localizados em espaços privados já tinham iniciado a cobrança deste serviço, respetivamente, em 1 de novembro de 2018 e 1 de abril de 2019. Agora, chega a vez dos restantes.

Fotoreportagem ensaio Mercedes EQC - 28FE20

“No dia 1 de julho de 2020 termina o período transitório da rede Mobi.E, iniciando-se o pagamento dos carregamentos nos postos de carregamento normal de acesso público”, diz a empresa em comunicado publicado no seu site.

Para utilizarem todos os postos da rede Mobi.E, os utilizadores vão ter que recorrer a um cartão de acesso à rede de mobilidade elétrica, emitido por um dos Comercializadores de Eletricidade para Mobilidade Elétrica (CEME). Ou seja, tal como já acontece no caso dos postos de carregamento rápido, também nestes, lentos, será necessário ter um contrato com um dos vários operadores.

"No dia 1 de julho de 2020 termina o período transitório da rede Mobi.E, iniciando-se o pagamento dos carregamentos nos postos de carregamento normal de acesso público.”

Mobi.E

Até agora, para utilizar estes postos de carregamento normal, de forma gratuita, os utilizadores tinham um cartão fornecido pela Mobi.E. Esses cartões vão agora deixar de funcionar. Deixam “assim de ser válidos os cartões que foram emitidos pela gestora dos postos”, diz a empresa responsável pela gestão dos mais de 600 postos de carregamento normal existentes no país.

O valor a pagar por cada carregamento rápido irá variar de comercializador para comercializador, não sendo possível antecipar o custo. No caso dos postos rápidos, cada CEME apresenta os seus valores, sendo que o utilizador tem de pagar taxas de acesso à rede, taxas para contratos bi e tri-horário, e ainda o Imposto Especial sobre Consumo, bem como a comissão da Mobi.E, que por enquanto é de zero.

Estes custos serão suportados pelos cerca de 40 mil utilizadores de veículos elétricos e híbridos plug-in que existem a circular nas estradas nacionais, um número que tem crescido exponencialmente à boleia da crescente oferta por parte das fabricantes de automóveis, da descida do preço destas soluções, mas também dos apoios do Estado à compra destes veículos.

Este ano, o Governo dotou o Fundo Ambiental de uma soma de quatro milhões de euros, disponibilizando um total de 1.000 “cheques” para a compra de carros elétricos de passageiros por parte de particulares (700) e empresas (300), além de outros 300 para a aquisição de veículos ligeiros de mercadorias. O valor desses apoios varia entre os 3.000 euros para particulares e os 2.000 euros no caso das empresas.

O ECO recusou os subsídios do Estado. Contribua e apoie o jornalismo económico independente

O ECO decidiu rejeitar o apoio público do Estado aos media, porque discorda do modelo de subsidiação seguido, mesmo tendo em conta que servirá para pagar antecipadamente publicidade do Estado. Pelo modelo, e não pelo valor em causa, cerca de 19 mil euros. O ECO propôs outros caminhos, nunca aceitou o modelo proposto e rejeitou-o formalmente no dia seguinte à publicação do diploma que formalizou o apoio em Diário da República. Quando um Governo financia um jornal, é a independência jornalística que fica ameaçada.

Admitimos o apoio do Estado aos media em situações excecionais como a que vivemos, mas com modelos de incentivo que transfiram para o mercado, para os leitores e para os investidores comerciais ou de capital a decisão sobre que meios devem ser apoiados. A escolha seria deles, em função das suas preferências.

A nossa decisão é de princípio. Estamos apenas a ser coerentes com o nosso Manifesto Editorial, e com os nossos leitores. Somos jornalistas e continuaremos a fazer o nosso trabalho, de forma independente, a escrutinar o governo, este ou outro qualquer, e os poderes políticos e económicos. A questionar todos os dias, e nestes dias mais do que nunca, a ação governativa e a ação da oposição, as decisões de empresas e de sindicatos, o plano de recuperação da economia ou os atrasos nos pagamentos do lay-off ou das linhas de crédito, porque as perguntas nunca foram tão importantes como são agora. Porque vamos viver uma recessão sem precedentes, com consequências económicas e sociais profundas, porque os períodos de emergência são terreno fértil para abusos de quem tem o poder.

Queremos, por isso, depender apenas de si, caro leitor. E é por isso que o desafio a contribuir. Já sabe que o ECO não aceita subsídios públicos, mas não estamos imunes a uma situação de crise que se reflete na nossa receita. Por isso, o seu contributo é mais relevante neste momento.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Tem carro elétrico? Prepare-se para começar a pagar pelos carregamentos

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião