Editora científica abre centro de I&D em Lisboa. Vai recrutar 30 pessoas até final do ano

Programadores de software, cientistas de dados e gestores de projeto em tecnologias de informação são algumas das posições em aberto.

A Springer Nature, editora científica, iniciou na quarta-feira o processo de integração dos seus primeiros colaboradores em Lisboa. O objetivo da empresa é criar mais 30 novos empregos até ao final do ano. Este é um dos investimentos estrangeiros que a Aicep já angariou este ano, confirmou ao ECO fonte oficial da agência.

“Quando pensamos em expansão, identificamos Lisboa como um hotspot estratégico que nos permitirá reforçar as nossas equipas multidisciplinares e conferir maior suporte às nossas publicações digitais globais. Estamos bastante contentes por poder começar a dar as boas-vindas aos nossos primeiros colaboradores e estamos ansiosos para formar uma excelente equipa ao longo deste ano“, refere Jan-Erik de Boer, chief information officer da Springer Nature, em comunicado.

Jan-Erik adianta que, numa fase inicial, os colaboradores vão trabalhar de forma remota e colaborativa. Mas o objetivo é fixarem-se numa “localização permanente nos próximos meses”. Os colaboradores vão ter benefícios, como por exemplo: seguro de saúde privado, alocação temporal (10% do tempo de trabalho) para projetos criativos e flexibilidade de teletrabalho.

De acordo com a editora, esta é a primeira etapa de uma estratégia de desenvolvimento a longo prazo assente na criação de um centro de inovação alavancado por recursos humanos fortemente especializados em Tecnologias de Informação, como programadores de software, gestores de projeto, cientistas de dados e analistas de software em Tecnologias de Informação.

Os valores do investimento não são conhecidos, mas fonte oficial da Aicep explicou ao ECO que, nos Business Services, a agência destaca “os postos de trabalho criados, uma vez que, normalmente o investimento prende-se com as instalações e outros valores de implementação”.

A Springer Nature Group, que conta com cerca de dez mil funcionários distribuídos por mais de 50 países, integra algumas das publicações científicas com maior reconhecimento global, como é o caso da Nature, Nature Research, Springer, BMC e Palgrave Macmillan.

Quanto vale uma notícia? Contribua para o jornalismo económico independente

Quanto vale uma notícia para si? E várias? O ECO foi citado em meios internacionais como o New York Times e a Reuters por causa da notícia da suspensão de António Mexia e João Manso Neto na EDP, mas também foi o ECO a revelar a demissão de Mário Centeno e o acordo entre o Governo e os privados na TAP. E foi no ECO que leu, em primeira mão, a proposta de plano de recuperação económica de António Costa Silva.

O jornalismo faz-se, em primeiro lugar, de notícias. Isso exige investimento de capital dos acionistas, investimento comercial dos anunciantes, mas também de si, caro leitor. A sua contribuição individual é relevante.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Editora científica abre centro de I&D em Lisboa. Vai recrutar 30 pessoas até final do ano

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião