“Which is the safest place to stay?”. Costa reage à decisão do Reino Unido com um gráfico no Twitter

Primeiro-ministro recorreu às redes sociais para demonstrar discordância com a exclusão de Portugal dos corredores aéreos do Reino Unido. Mostra números e convida britânicos a virem ao Algarve.

Coube a Augusto Santos Silva classificar, em nome do Governo, o erro que o Reino Unido cometeu ao excluir Portugal dos corredores aéreos. António Costa não comentou publicamente a decisão, mas manifestou-se através das redes sociais. Numa publicação no Twitter, recorreu a um gráfico para demonstrar a insatisfação, deixando um convite aos britânicos para virem de férias para o Algarve.

Which is the safest place to stay?“. É com esta pergunta — qual o sítio mais seguro para ficar, em português — que António Costa arranca a publicação totalmente escrita em inglês, fazendo alvo a todos os britânicos. A pergunta não tem resposta, mas o gráfico que surge abaixo explica claramente o que o primeiro-ministro quer dizer.

Neste gráfico, Costa compara o número de casos de infeção por Covid-19 por cada 100 mil habitantes no Reino Unido com o Algarve, mostrando claramente a situação mais complicada do lado dos britânicos. O Algarve conta com 142 em 100 mil, contra mais de 400 no Reino Unido.

Esta comparação, no dia em que o governo britânico deixou o país de fora das “vias verdes”, exigindo quarentena aos cidadãos que entrem no país vindos de Portugal, é acompanhada de um convite aos britânicos para virem passar férias ao país.

You are welcome to spend a safe holiday in Algarve!“, atira. Costa diz que os britânicos são bem-vindo a passar umas férias seguras no Algarve, região que será certamente a mais castigada por esta decisão das autoridades britânicas.

Os turistas do Reino Unido têm um grande peso no turismo nacional, tendo chegado ao país mais de nove milhões de britânicos aos aeroportos nacionais no ano passado, muitos deles em busca do sol algarvio.

A exclusão de Portugal está a deixar preocupados os responsáveis do setor, nomeadamente do sul do país, temendo perdas avultadas por mais este revés em época alta, depois de meses encerrados por causa da pandemia.

Quanto vale uma notícia? Contribua para o jornalismo económico independente

Quanto vale uma notícia para si? E várias? O ECO foi citado em meios internacionais como o New York Times e a Reuters por causa da notícia da suspensão de António Mexia e João Manso Neto na EDP, mas também foi o ECO a revelar a demissão de Mário Centeno e o acordo entre o Governo e os privados na TAP. E foi no ECO que leu, em primeira mão, a proposta de plano de recuperação económica de António Costa Silva.

O jornalismo faz-se, em primeiro lugar, de notícias. Isso exige investimento de capital dos acionistas, investimento comercial dos anunciantes, mas também de si, caro leitor. A sua contribuição individual é relevante.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

“Which is the safest place to stay?”. Costa reage à decisão do Reino Unido com um gráfico no Twitter

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião