Benfica formalizou à CMVM a rescisão com treinador Bruno Lage

  • Lusa
  • 4 Julho 2020

Bruno Lage apresentou a demissão após o jogo com o Marítimo. O Benfica vai jogar este sábado, orientado por Nélson Veríssimo.

O Benfica comunicou este sábado à Comissão do Mercado de Valores Mobiliários (CMVM) a formalização da rescisão com o treinador de futebol Bruno Lage, que apresentou a demissão após o desaire de segunda-feira com o Marítimo.

“A Sport Lisboa e Benfica – Futebol, SAD informa, nos termos e para o efeito do disposto no artigo 248.º-A do Código dos Valores Mobiliários, que formalizou hoje a rescisão do contrato de trabalho desportivo com o treinador Bruno Miguel Silva do Nascimento (Bruno Lage)”, avança o curto comunicado.

O treinador natural de Setúbal assumiu o cargo, então “provisoriamente”, em 3 de janeiro de 2019, substituindo Rui Vitória, numa altura em que o Benfica era quarto na I Liga, a sete pontos da liderança.

Lage, de 44 anos, entrou com quatro triunfos, renovou contrato até 30 de junho de 2023 e levou mesmo os ‘encarnados’ à conquista do título nacional em 2018/19, ao somar vitórias em 18 das últimas 19 jornadas, sendo exceção um 2-2 com o Belenenses SAD.

Em 2019/20, começou da melhor forma, ao conquistar a Supertaça com uma goleada ao Sporting (5-0), e parecia destinado a chegar ao ‘bis’ no campeonato, após nova série de 18 triunfos em 19 jogos, agora com uma derrota pelo meio (0-2 com o FC Porto).

Um segundo desaire na época com os portistas, em 8 de fevereiro, no Dragão, iniciou, porém, um ciclo muito negativo, com apenas dois triunfos em 13 jogos, em todas as competições, que conduziram à sua saída do comando técnico do Benfica. No total, somou 51 vitórias, 12 empates e 13 derrotas (181-76 em golos), em 76 jogos.

O Benfica volta a jogar este sábado, recebendo o Boavista, para a 30.ª jornada da I Liga, num embate em que vai ser orientado por Nélson Veríssimo, que era um dos adjuntos de Bruno Lage.

Quanto vale uma notícia? Contribua para o jornalismo económico independente

Quanto vale uma notícia para si? E várias? O ECO foi citado em meios internacionais como o New York Times e a Reuters por causa da notícia da suspensão de António Mexia e João Manso Neto na EDP, mas também foi o ECO a revelar a demissão de Mário Centeno e o acordo entre o Governo e os privados na TAP. E foi no ECO que leu, em primeira mão, a proposta de plano de recuperação económica de António Costa Silva.

O jornalismo faz-se, em primeiro lugar, de notícias. Isso exige investimento de capital dos acionistas, investimento comercial dos anunciantes, mas também de si, caro leitor. A sua contribuição individual é relevante.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Benfica formalizou à CMVM a rescisão com treinador Bruno Lage

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião