Primeira fase do Renda Segura recebeu 177 candidaturas. 45 são de imóveis de alojamento local

A Câmara de Lisboa vai arrendar imóveis de privados, sobretudo de alojamento local, para depois os arrendar a preços mais baixos através do Programa de Renda Acessível.

A primeira fase de candidaturas do Programa Renda Segura, que arrancou a 18 de maio e terminou na passada sexta-feira, recebeu 177 candidaturas de proprietários interessados em arrendar os seus imóveis à Câmara Municipal de Lisboa. Segundo os números avançados pela autarquia ao ECO, a iniciativa tem já 338 imóveis inscritos, dos quais 45 são de alojamento local. Estes serão depois subarrendados a preços acessíveis.

A plataforma do Programa Renda Segura recebeu 338 registos, vindos de 188 proprietários diferentes. Desse universo resultaram, então, as 177 candidaturas concluídas para arrendamento: 45 provenientes do alojamento local e 83 referentes a habitações mobiladas (cujas rendas serão maiores).

Desses imóveis, a maioria corresponde a T2 (72), T1 (42) e T3 (36). Contam-se ainda 15 habitações T0, 11 casas T4 e um imóvel T5. Em média, os proprietários propuseram à Câmara de Lisboa uma renda de 723 euros.

As candidaturas vieram de proprietários com imóveis em todas as 24 freguesias de Lisboa, maioritariamente de Santa Maria Maior (21), São Vicente (21), Ajuda (13) e Arroios, Beato e Penha de França, com dez imóveis cada uma.

Destas 177 candidaturas formalizadas, 78 habitações já foram analisadas pela Câmara de Lisboa e 45 já têm data marcada para a vistoria. A autarquia já negociou as rendas com mais de 60 proprietários, seguindo-se agora a conclusão dos contratos de arrendamento.

O passo seguinte passa pela inclusão destes imóveis no Programa de Renda Acessível da Câmara de Lisboa, cuja segunda fase deverá arrancar já este mês de julho, adianta a autarquia ao ECO. O primeiro concurso de rendas acessíveis, que terminou em janeiro, entregou 120 casas a jovens e famílias da classe média, com rendas equivalentes a 30% dos respetivos rendimentos líquidos.

(Notícia atualizada às 18h36 com mais informação)

O jornalismo continua por aqui. Contribua

Sem informação não há economia. É o acesso às notícias que permite a decisão informada dos agentes económicos, das empresas, das famílias, dos particulares. E isso só pode ser garantido com uma comunicação social independente e que escrutina as decisões dos poderes. De todos os poderes, o político, o económico, o social, o Governo, a administração pública, os reguladores, as empresas, e os poderes que se escondem e têm também muita influência no que se decide.

O país vai entrar outra vez num confinamento geral que pode significar menos informação, mais opacidade, menos transparência, tudo debaixo do argumento do estado de emergência e da pandemia. Mas ao mesmo tempo é o momento em que os decisores precisam de fazer escolhas num quadro de incerteza.

Aqui, no ECO, vamos continuar 'desconfinados'. Com todos os cuidados, claro, mas a cumprir a nossa função, e missão. A informar os empresários e gestores, os micro-empresários, os gerentes e trabalhadores independentes, os trabalhadores do setor privado e os funcionários públicos, os estudantes e empreendedores. A informar todos os que são nossos leitores e os que ainda não são. Mas vão ser.

Em breve, o ECO vai avançar com uma campanha de subscrições Premium, para aceder a todas as notícias, opinião, entrevistas, reportagens, especiais e as newsletters disponíveis apenas para assinantes. Queremos contar consigo como assinante, é também um apoio ao jornalismo económico independente.

Queremos viver do investimento dos nossos leitores, não de subsídios do Estado. Enquanto não tem a possibilidade de assinar o ECO, faça a sua contribuição.

De que forma pode contribuir? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

Obrigado,

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Primeira fase do Renda Segura recebeu 177 candidaturas. 45 são de imóveis de alojamento local

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião