CTT freta cargueiro para transportar correio para os Açores

  • Lusa
  • 7 Julho 2020

A empresa de correios ai o fretar umcargueiro para transportar correio para os Açores em agosto. Decisão é anunciada depois de o sindicato denunciar atrasos na distribuição.

Os CTT vão fretar um cargueiro para transportar correio para os Açores em agosto, avançou a empresa à Lusa, depois de o sindicato ter denunciado atrasos na distribuição devido aos constrangimentos nos transportes e falta de trabalhadores.

“Os CTT estão a contratar um operador para regularizar a operação, que começará a transportar correio em agosto”, disse esta terça-feira à Lusa o diretor de Comunicação e Sustentabilidade dos CTT, Miguel Salema Garção, quando questionado sobre se a empresa ponderava fretar um cargueiro para colmatar os atrasos nas entregas.

O anúncio surge depois de o Sindicato Nacional dos Trabalhadores dos Correios e Telecomunicações (SNTCT) ter afirmado também esta terça-feira que os CTT “aproveitaram a pandemia para reduzir custos” ao “não fretarem cargueiros aéreos” e por “não terem ao serviço o número de trabalhadores necessários”, causando atrasos nas entregas na região.

No documento que o sindicato fez chegar à Lusa, é denunciado que “o transporte do correio por via marítima e a não utilização de cargueiros aéreos, como era obrigação dos CTT”, tem sido “prejudicial em termos da rapidez da entrega do correio” e tem provocado “distúrbios no sistema de distribuição”.

Miguel Salema Garção lembrou que, em junho, as ligações aéreas tiveram “um défice de capacidade face às necessidades de mais de 40% para a Madeira e para os Açores (além das ligações nos fluxos inter-ilhas)”. “É esta falta de capacidade que, à falta de alternativas, tem obrigado os CTT a desviar tráfego para a via marítima. Como consequência, o tráfego que normalmente chegaria várias vezes por semana nas dezenas de voos comerciais de passageiros, passa a chegar por navio uma vez por semana, sobrecarregando nesse momento as equipas de distribuição”, prosseguiu.

O sindicato denuncia, ainda, que “a gestão dos CTT tem vindo a não ter ao serviço o número de trabalhadores necessários à correta execução do trabalho a fazer, o que está a provocar a exaustão dos trabalhadores, poucos, que restam”.

Esta estrutura estima que faltem, em todo o arquipélago, “mais de 25 carteiros na distribuição”, já que há zonas em que há “um carteiro a fazer a distribuição, em dias alternados, de dois, e por vezes mais, giros” e, “pelo menos, dez técnicos nos balcões das estações de correio”.

Sobre esta matéria, os CTT referem que “têm vindo a ajustar os recursos humanos em face do tráfego médio semanal, sobre o qual se tem verificado uma melhoria a partir de meados do 2.º trimestre”.

A empresa menciona ainda que “os picos de trabalho ocorrem pelo facto de, via marítima, chegarem grandes quantidades de correio ao mesmo tempo” e que tem “procurado, como sempre, alinhar as necessidades de recursos humanos ao tráfego existente visando a maximização da qualidade do serviço, ainda que fortemente condicionada pelas limitações e transporte aéreo”.

O responsável garantiu que a empresa está “a fazer os esforços necessários para que se verifiquem melhorias nas próximas semanas, quer com o aumento de voos a partir de Lisboa, quer com o aumento de voos dentro da Região Autónoma dos Açores”.

Quanto vale uma notícia? Contribua para o jornalismo económico independente

Quanto vale uma notícia para si? E várias? O ECO foi citado em meios internacionais como o New York Times e a Reuters por causa da notícia da suspensão de António Mexia e João Manso Neto na EDP, mas também foi o ECO a revelar a demissão de Mário Centeno e o acordo entre o Governo e os privados na TAP. E foi no ECO que leu, em primeira mão, a proposta de plano de recuperação económica de António Costa Silva.

O jornalismo faz-se, em primeiro lugar, de notícias. Isso exige investimento de capital dos acionistas, investimento comercial dos anunciantes, mas também de si, caro leitor. A sua contribuição individual é relevante.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

CTT freta cargueiro para transportar correio para os Açores

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião