Valor da EDP cresceu 4 mil milhões na liderança de Mexia. Processo judicial prejudicou

A elétrica tocava o valor mais elevado de sempre em bolsa em fevereiro, mas a pandemia prejudicou a cotação. Quando recuperava, o processo judicial (que tirou o lugar a Mexia) voltou a penalizar.

António Mexia vai deixar a EDP, 14 anos depois de ter chegado à elétrica. À saída — forçada por um caso judicial em que é acusado de corrupção –, o gestor deixa uma empresa mais valiosa, mas também prejudicada pelo processo.

Com uma capitalização bolsista de 15,9 mil milhões de euros, a EDP é a empresa mais valiosa do PSI-20, seguida da EDP Renováveis — que fica igualmente sem CEO devido ao mesmo processo –, com uma avaliação de 11,1 mil milhões de euros.

Mexia chegou à liderança da EDP em 2006, numa altura em que o país estava prestes a enfrentar uma crise que o atiraria para um resgate financeiro (e arrastaria consigo o valor de toda a bolsa). Na altura, cada ação valia 3,25 euros e o ano seguinte foi de fortes ganhos, chegando mesmo ao máximo histórico de 5 euros por ação, o equivalente a uma capitalização bolsista superior a 18 mil milhões, em 2007.

Mas a crise financeira foi fortemente penalizada para a EDP, tal como para todas as cotadas do PSI-20. Cada título da elétrica afundou até ao mínimo histórico de 1,628 euros em 2012. A recuperação da cotação acompanhou a do crescimento económico e do reforço da confiança dos investidores (bem como das agências de rating) no país.

Após uma oferta pública de aquisição (OPA) falhada do principal acionista, a China Three Gorges, a EDP iniciou no ano passado um ambicioso plano de transformação focado nas renováveis e na remuneração acionista. Em fevereiro deste ano, voltava a valer 18 mil milhões de euros em bolsa e quase 5 euros por ação.

Antes do coronavírus, EDP disparava até aos 18 mil milhões

Fonte: Reuters

A pandemia global derrubou novamente as ações, alvo de um tombo em meados de março. Mas este foi temporário e, com o setor das utilities a mostrar maior resiliência à crise, a EDP acabou mesmo por valorizar 16% no segundo trimestre do ano. A recuperação foi interrompida, porém, pelo processo judicial.

Arguido desde 2 de junho de 2016 no âmbito da investigação do Ministério Público ao caso das rendas dos Custos de Manutenção do Equilíbrio Contratual (CMEC), António Mexia conheceu as medidas de coação a 5 de junho.

O Ministério Público pediu a suspensão de funções do presidente da EDP, António Mexia, e do presidente da EDP Renováveis, João Manso Neto. O juiz de instrução criminal, Carlos Alexandre, deu esta segunda-feira o aval às medidas de coação propostas, com efeito imediato. No mês que passou entre uma e outra, a EDP desvalorizou 1%, enquanto as pares valorizaram nos mercados internacionais: a Endesa 4,5%, a Iberdrola 8,7% e a Enel 5,73%.

Nenhuma empresa do PSI-20 remunera tão bem os acionistas (ou os gestores)

Feitas as contas a todo o período da liderança de António Mexia, a empresa valorizou 33,7% entre a entrada e saída do gestor, o equivalente a quatro mil milhões de euros. A Comissão do Mercado de Valores Mobiliários (CMVM) suspendeu a negociação dos títulos esta segunda-feira após o ECO/Advocatus ter noticiado a decisão do juiz Carlos Alexandre. Antes da suspensão, cada ação valia 4,345 euros, menos 2,4% que na sessão anterior.

Mas o valor da EDP não cresceu só em bolsa. Foi com Mexia que a EDP se virou definitivamente para a área das energias renováveis e para o mercado norte-americano, decisões de risco que estão hoje a ser recompensadas. Em média, a EDP lucrou 950 milhões de euros por ano entre 2006 e 2019. Estes resultados foram sinónimo de dividendos generosos e consistentes para os acionistas.

Todos os anos foram parar aos bolsos dos investidores uma média de 600 milhões de euros sob a forma de dividendos. O montante corresponde a um payout anual a rondar os 60%. Já todos se habituaram a ver a EDP como a rainha dos dividendos na bolsa nacional. Não há empresa na bolsa de Lisboa que dê tanto dinheiro aos acionistas.

Em termos acumulados, cada ação deu direito a dividendos no valor de 2,4 euros, no período de 14 anos. Mas se não há empresa em Lisboa que dê tanto aos investidores, também não havia gestor no PSI-20 tão bem remunerado como António Mexia.

Entre prémios e salários, já acumulou 24,37 milhões de euros, segundo detalham os relatórios da empresa. Dá uma média de 1,74 milhões de euros por ano. É muito? “O meu salário equivale ao de um defesa direito de um clube do meio da tabela. Não me considerando eu um jogador desses”, disse Mexia em 2006 numa entrevista à Sábado.

EDP lucra e dá a lucrar

Fonte: EDP e Reuters

O jornalismo continua por aqui. Contribua

Sem informação não há economia. É o acesso às notícias que permite a decisão informada dos agentes económicos, das empresas, das famílias, dos particulares. E isso só pode ser garantido com uma comunicação social independente e que escrutina as decisões dos poderes. De todos os poderes, o político, o económico, o social, o Governo, a administração pública, os reguladores, as empresas, e os poderes que se escondem e têm também muita influência no que se decide.

O país vai entrar outra vez num confinamento geral que pode significar menos informação, mais opacidade, menos transparência, tudo debaixo do argumento do estado de emergência e da pandemia. Mas ao mesmo tempo é o momento em que os decisores precisam de fazer escolhas num quadro de incerteza.

Aqui, no ECO, vamos continuar 'desconfinados'. Com todos os cuidados, claro, mas a cumprir a nossa função, e missão. A informar os empresários e gestores, os micro-empresários, os gerentes e trabalhadores independentes, os trabalhadores do setor privado e os funcionários públicos, os estudantes e empreendedores. A informar todos os que são nossos leitores e os que ainda não são. Mas vão ser.

Em breve, o ECO vai avançar com uma campanha de subscrições Premium, para aceder a todas as notícias, opinião, entrevistas, reportagens, especiais e as newsletters disponíveis apenas para assinantes. Queremos contar consigo como assinante, é também um apoio ao jornalismo económico independente.

Queremos viver do investimento dos nossos leitores, não de subsídios do Estado. Enquanto não tem a possibilidade de assinar o ECO, faça a sua contribuição.

De que forma pode contribuir? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

Obrigado,

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Valor da EDP cresceu 4 mil milhões na liderança de Mexia. Processo judicial prejudicou

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião