Juro da dívida dos EUA em mínimo histórico. Ações em Nasdaq renovam máximos

No dia em que os Estados Unidos se financiaram a dez anos com o juro mais baixo de sempre, as ações valorizaram.

Os juros da dívida dos EUA caem para mínimos históricos, enquanto as ações em Wall Street renovam máximos. Na sessão desta quarta-feira, os principais índices acionistas fecharam em alta com o Nasdaq a tocar o valor mais elevado de sempre graças aos primeiros sinais de retoma da economia.

Os EUA estiveram esta quarta-feira no mercado de dívida para emitir 29 mil milhões de dólares em obrigações a dez anos. A forte procura por estes ativos levou a yield para apenas 0,653%. O país nunca se tinha financiado com esta maturidade benchmark com um juro tão baixo.

“Foi definitivamente um leilão bem recebido pelos participantes no mercado primário”, disse o estratega da BMO Capital Markets Ben Jeffery, citado pela Reuters. “Com o mundo a preferir ativos refúgio, a procura estrutural por Treasuries será sempre uma opção natural para quem procura refúgio e ainda mais devido aos baixos juros na Europa“.

Além das obrigações norte-americanas, os investidores também têm procurado refúgio no ouro. O metal precioso negoceia a 1.808,86 dólares por onça, no valor mais elevado desde 2012. Apesar de o aumento no número de casos de Covid-19 estar a impulsionar a procura por ativos-refúgio, a tendência não arrefeceu o interesse pelas ações.

Wall Street fechou em alta com o tecnológico Nasdaq a renovar máximos pela quarta vez em cinco sessões. O índice ganhou 1,44% para 10.492,50 pontos. O Dow Jones avançou 0,69% para 26.067,62 pontos e o S&P 500 somou 0,79% para 3.170,04 pontos. Em termos empresariais, destacaram-se a Apple (com um ganho de 2,3%) e a Microsoft (que subiu 2,1%).

“O mercado continua a ignorar as potenciais consequências destes picos de casos do novo coronavírus”, alertou Peter Cardillo, economista chefe de mercados da Spartan Capital Securities, à Reuters. “É demasiado. Não espero um crash no mercado, mas penso que os investidores estão, nesta conjuntura, a brincar com o fogo“.

 

Quanto vale uma notícia? Contribua para o jornalismo económico independente

Quanto vale uma notícia para si? E várias? O ECO foi citado em meios internacionais como o New York Times e a Reuters por causa da notícia da suspensão de António Mexia e João Manso Neto na EDP, mas também foi o ECO a revelar a demissão de Mário Centeno e o acordo entre o Governo e os privados na TAP. E foi no ECO que leu, em primeira mão, a proposta de plano de recuperação económica de António Costa Silva.

O jornalismo faz-se, em primeiro lugar, de notícias. Isso exige investimento de capital dos acionistas, investimento comercial dos anunciantes, mas também de si, caro leitor. A sua contribuição individual é relevante.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Juro da dívida dos EUA em mínimo histórico. Ações em Nasdaq renovam máximos

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião