BE questiona CMVM sobre gestora da Galp que esteve na Wirecard

  • ECO
  • 10 Julho 2020

"Tendo em conta o percurso de Susana Quintana-Plaza e os factos agora conhecidos sobre a Wirecard, vai a CMVM proceder a uma avaliação formal da sua idoneidade?", pergunta BE.

Numa pergunta enviada ao regulador do mercado de capitais, o Bloco de Esquerda questiona se a gestora da Galp Energia, Susana Quintana-Plaza, que esteve na alemã Wirecard fintech agora insolvente e envolvida num escândalo financeiro — tem condições para estar no cargo em causa, avança o Expresso (acesso pago), esta sexta-feira.

Segundo o semanário, na pergunta enviada à Comissão do Mercado de Valores Mobiliários (CMVM), a bloquista Mariana Mortágua sublinha que a “administradora da Galp era membro do conselho fiscal da Wirecard, um órgão de gestão responsável por exercer ‘uma fiscalização conscienciosa e imparcial’, de informar sobre ‘todas as irregularidades e inexatidões’, segundo o decreto-lei que rege esta atividade e que é praticamente transversal a todos os países”. A deputada questiona, por isso: “Tendo em conta o percurso da recente administradora da Galp, Susana Quintana-Plaza, e os factos agora conhecidos sobre a Wirecard, vai a CMVM proceder a uma avaliação formal da sua idoneidade?”, questiona Mortágua.

A CMVM já disse que não tem poderes de supervisão que permitam avaliar a idoneidade dos gestores de empresas cotadas. E fonte oficial da Galp disse ao ECO, que avançou a história em primeira mão, que “já desencadeou os procedimentos de governance aplicáveis, em face da informação recentemente divulgada sobre a Wirecard, não se registando qualquer informação suscetível de pôr em causa a idoneidade da sua administradora executiva Susana Quintana-Plaza”.

A alemã Wirecard tem estado rodeada de polémica, depois de sido descoberto um buraco nas suas contas de 1,9 mil milhões de euros. O escândalo levou mesmo à detenção do ex-presidente desta fintech. A gestora da Galp Energia tinha abandonado a Wirecard em abril deste ano.

Quanto vale uma notícia? Contribua para o jornalismo económico independente

Quanto vale uma notícia para si? E várias? O ECO foi citado em meios internacionais como o New York Times e a Reuters por causa da notícia da suspensão de António Mexia e João Manso Neto na EDP, mas também foi o ECO a revelar a demissão de Mário Centeno e o acordo entre o Governo e os privados na TAP. E foi no ECO que leu, em primeira mão, a proposta de plano de recuperação económica de António Costa Silva.

O jornalismo faz-se, em primeiro lugar, de notícias. Isso exige investimento de capital dos acionistas, investimento comercial dos anunciantes, mas também de si, caro leitor. A sua contribuição individual é relevante.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

BE questiona CMVM sobre gestora da Galp que esteve na Wirecard

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião