EUA tramam Europa. Lisboa cai com pressão da energia

PSI-20 segue no vermelho, alinhado com os pares europeus, com os novos casos recorde de coronavírus em vários estados dos EUA a alimentarem a preocupação com a recuperação económica.

A bolsa nacional entrou com o “pé esquerdo” na última sessão da semana. O PSI-20 segue no vermelho, alinhado com os pares europeus, com os novos casos recorde de coronavírus em vários estados dos EUA a alimentarem a preocupação com a recuperação económica. Em Lisboa, os títulos do universo EDP e a Galp são os que mais pressão exercem sobre o índice bolsista nacional.

O PSI-20 desvaloriza 0,39%, para os 4.413,18 pontos, com a maioria dos títulos que o compõem em terreno negativo. Na Europa, a tendência também é negativa, com o índice Stoxx 600 — que agrega as 600 principais capitalizações bolsista do velho Continente — a perder 0,4%.

A evolução dos novos casos de contágio pelo novo coronavírus não pára de crescer nos EUA, o que está a elevar o sentimento negativo dos investidores. A própria OCDE veio recomendar ao Governo norte-americano para que continue a oferecer assistência pública aos seus residentes e às empresas afetadas pela pandemia, temendo os impacto económicos negativos.

“A economia dos EUA está a debater-se com um choque económico e de saúde que ameaça atrasar os ganhos económicos significativos da última década e deixar cicatrizes permanentes”, disse o Secretário-Geral da OCDE, Angel Gurría no lançamento nesta quinta-feira do último estudo económico sobre os EUA.

O arranque da sessão lisboeta está a influenciado pelo deslize dos títulos do setor da energia. Destaque para o recuo de 1,19%, para os 13,28 euros, das ações da EDP Renováveis, e de 1,14%, para os 4,434 euros, da casa-mãe EDP.

Por sua vez, as ações da Galp Energia deslizam 0,53%, para 10,365 euros, contribuindo também para a queda do PSI-20. O rumo bolsista da petrolífera acompanha as perdas das cotações do “ouro negro”. O preço do barril de Brent recua 1,53%, para os 41,70 dólares.

Já a Novabase é a cotada que lidera as perdas na praça lisboeta. As suas ações perdem 2,51%, para os 3,11 euros.

Quanto vale uma notícia? Contribua para o jornalismo económico independente

Quanto vale uma notícia para si? E várias? O ECO foi citado em meios internacionais como o New York Times e a Reuters por causa da notícia da suspensão de António Mexia e João Manso Neto na EDP, mas também foi o ECO a revelar a demissão de Mário Centeno e o acordo entre o Governo e os privados na TAP. E foi no ECO que leu, em primeira mão, a proposta de plano de recuperação económica de António Costa Silva.

O jornalismo faz-se, em primeiro lugar, de notícias. Isso exige investimento de capital dos acionistas, investimento comercial dos anunciantes, mas também de si, caro leitor. A sua contribuição individual é relevante.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

EUA tramam Europa. Lisboa cai com pressão da energia

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião