Preços das casas no Porto sobem mais que em Lisboa. Veja os valores em cada freguesia

Preços das casas nas duas principais cidades do país continuam a subir. Mas, embora Lisboa continue a ser a mais cara, no Porto o aumento de preços está a ser mais expressivo.

Lisboa continua a ser a cidade com as casas mais caras do país, mas tem vindo a perder terreno. Em 2019, pela primeira vez em quatro anos, a subida dos preços das casas na capital ficou abaixo da média nacional, tendência que voltou a observar-se no primeiro trimestre deste ano. No Porto também houve um abrandamento no ritmo de subida dos preços, mas que ainda assim se manteve acima da média nacional. Mas a nível de freguesias quais as tendências que se observam?

No primeiro trimestre deste ano, os preços das casas subiram 10,5% a nível nacional, para um valor mediano de 1.117 euros/m2. Já em Lisboa, as habitações vendidas custaram, em média, 3.333 euros/m2, uma subida homóloga de 7,1%, mas que soma o quinto trimestre consecutivo de desaceleração dos preços.

Em termos de freguesias, há contudo uma grande discrepância em matéria de evolução dos preços dos imóveis. Se houve três em que os preços até baixaram — Campolide (-3,2%, para 3.036 euros), Carnide (-0,7%, para 3.027 euros) e São Vicente (-0,1%, para 3.402 euros) — noutras o ritmo de subida de preços foi bastante expressivo.

Freguesias de Lisboa com maior subida de preços no 1.º trimestre

Fonte: INE

Na capital, duas das freguesias que figuram entre as quatro mais caras para comprar casa, apresentaram acréscimos de preços na ordem dos 20% face ao homólogo. É o caso concreto do Parque das Nações, onde os preços subiram 25,7% para 4.162 euros/m2, e da Misericórdia com um aumento de 19,2% para 5.112 euros/m2, o segundo mais elevado dentro de Lisboa. Apesar dessas subidas, a freguesia de Santo António mantêm-se como a mais cara da capital. Comprar casa nessa freguesia custa em média 5.340 euros/m2, mais 12,6% que um ano antes.

Na cidade do Porto, que se mantém como o sétimo município mais caro do país, os preços subiram 11,4%, para um valor mediano de 1.873 euros/m2.

Freguesias do Porto com maior subida de preços no 1.º trimestre

Fonte: INE

Analisando mais detalhadamente, todas as freguesias daquela cidade beneficiaram de aumentos de preços, sendo que há quatro com ritmos mais elevados do que o valor global da cidade. Os maiores aumentos foram observados em Paranhos (19,3%, para 1.699 euros) e no Bonfim (16,9%, para 1.934 euros), enquanto as subidas menos acentuadas aconteceram em Ramalde (74,6%, para 1.637 euros) e da Campanhã (9%, para 1.208 euros).

Por sua vez, a União das freguesias de Aldoar, Foz do Douro e Nevogilde e a União das freguesias de Lordelo do Ouro e Massarelos mantêm-se como as mais caras. No primeiro caso, o valor mediano do metro quadrado está nos 2.593 euros (+11,6%) e no segundo encontra-se nos 2.241 euros (+16,2%).

O jornalismo continua por aqui. Contribua

Sem informação não há economia. É o acesso às notícias que permite a decisão informada dos agentes económicos, das empresas, das famílias, dos particulares. E isso só pode ser garantido com uma comunicação social independente e que escrutina as decisões dos poderes. De todos os poderes, o político, o económico, o social, o Governo, a administração pública, os reguladores, as empresas, e os poderes que se escondem e têm também muita influência no que se decide.

O país vai entrar outra vez num confinamento geral que pode significar menos informação, mais opacidade, menos transparência, tudo debaixo do argumento do estado de emergência e da pandemia. Mas ao mesmo tempo é o momento em que os decisores precisam de fazer escolhas num quadro de incerteza.

Aqui, no ECO, vamos continuar 'desconfinados'. Com todos os cuidados, claro, mas a cumprir a nossa função, e missão. A informar os empresários e gestores, os micro-empresários, os gerentes e trabalhadores independentes, os trabalhadores do setor privado e os funcionários públicos, os estudantes e empreendedores. A informar todos os que são nossos leitores e os que ainda não são. Mas vão ser.

Em breve, o ECO vai avançar com uma campanha de subscrições Premium, para aceder a todas as notícias, opinião, entrevistas, reportagens, especiais e as newsletters disponíveis apenas para assinantes. Queremos contar consigo como assinante, é também um apoio ao jornalismo económico independente.

Queremos viver do investimento dos nossos leitores, não de subsídios do Estado. Enquanto não tem a possibilidade de assinar o ECO, faça a sua contribuição.

De que forma pode contribuir? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

Obrigado,

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Preços das casas no Porto sobem mais que em Lisboa. Veja os valores em cada freguesia

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião