Bastonário dos advogados pede máxima prudência nos tribunais

Luís Menezes Leitão pediu a máxima prudência aos advogados nas deslocações aos tribunais, uma vez que está "muito preocupado" com o desenvolvimento da pandemia. Bastonário solicita queixas por e-mail.

O bastonário da Ordem dos Advogados, Luís Menezes Leitão, pediu a máxima prudência aos profissionais do setor nas deslocações a tribunais, de forma a evitar os riscos desnecessários, e solicitou ainda a denúncia de casos mais relevantes. O líder dos 32 mil advogados está “muito preocupado com o desenvolvimento da pandemia nos tribunais“, nomeadamente na região de Lisboa e Vale do Tejo.

“A Ordem dos Advogados foi informada pela senhora Juíza-Presidente da Comarca de Lisboa Oeste de que se verificou um caso de teste positivo à Covid-19 numa funcionária que trabalha na Secção Criminal do Tribunal de Sintra, o que obrigou igualmente a fazer testes a todos os que com ela contactaram. Em consequência o Tribunal de Sintra foi objeto de uma fiscalização por parte da DGS e irá proceder-se a uma desinfectação geral do mesmo”, nota o bastonário na carta enviada aos advogados.

Luís Menezes Leitão tem sucessivamente alertado para a falta de condições de segurança nos tribunais, estando a receber queixas por parte dos advogados que reportam situações em que manifestamente as melhores práticas de combate à pandemia não estão a ser adequadamente respeitadas.

Todas essas queixas têm sido apresentadas aos senhores Juízes-Presidentes das Comarcas, com pedidos para a que a situação seja alterada”, refere. O bastonário da OA reuniu recentemente com os representantes da Ordem nos Conselhos Consultivos das Comarcas e pediu que lhe reportassem qualquer situação de risco que se verifique nos tribunais do nosso país.

“Sempre que os colegas encontrem nos tribunais qualquer situação que considerem que pode representar um risco de contaminação, solicita-se que informem os serviços da Ordem através do e-mail tribunal.inseguro@oa.pt. Só com essa informação prestada pelos colegas poderá a Ordem dos Advogados corrigir atempadamente o problema por forma a terminar com essas situações de risco”, alertou Luís Menezes Leitão.

Quanto vale uma notícia? Contribua para o jornalismo económico independente

Quanto vale uma notícia para si? E várias? O ECO foi citado em meios internacionais como o New York Times e a Reuters por causa da notícia da suspensão de António Mexia e João Manso Neto na EDP, mas também foi o ECO a revelar a demissão de Mário Centeno e o acordo entre o Governo e os privados na TAP. E foi no ECO que leu, em primeira mão, a proposta de plano de recuperação económica de António Costa Silva.

O jornalismo faz-se, em primeiro lugar, de notícias. Isso exige investimento de capital dos acionistas, investimento comercial dos anunciantes, mas também de si, caro leitor. A sua contribuição individual é relevante.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Bastonário dos advogados pede máxima prudência nos tribunais

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião