Aeroportos franceses vão testar passageiros de países de risco

  • Lusa
  • 12 Julho 2020

Gabriel Attal, porta-voz do Governo francês, anunciou que os aeroportos de França vão começar a fazer testes de despiste à Covid-19 aos passageiros vindos de países de risco.

A França vai realizar de forma sistemática testes nos aeroportos a todos os passageiros provenientes de países “de risco”, onde há maior circulação do novo coronavírus, disse o porta-voz do Governo francês, Gabriel Attal.

“Vamos fazer testes sistemáticos nos aeroportos aos passageiros provenientes de países estrangeiros ‘vermelhos’, quer dizer, de países onde o vírus circula mais”, afirmou Attal à televisão francesa BFMTV.

O porta-voz do Governo esclareceu ainda que o executivo quer realizar cerca de 2.000 testes diários, adiantando que não serão feitos testes a quem provar que já foi testado nos seus países de origem. Nestes caso, realçou, serão pedidos os comprovativos.

Desta forma, o Governo francês aumenta o controlo em relação aos passageiros, embora Gabriel Attal tenha dito que os testes eram voluntários.

O representante referiu ainda que, por agora, não está previsto obrigar os franceses a usarem máscara nos lugares públicos, embora esta seja uma recomendação. “Os franceses são responsáveis e quando lhes fazemos uma recomendação respeitam-na de forma massiva”, disse, sublinhando, contudo, que o Governo adapta sempre as suas recomendações consoante a evolução da situação.

A França ultrapassou já a barreira das 30.000 mortes devido à infeção provocada pelo novo coronavírus, de acordo com o mais recente balanço, divulgado na sexta-feira. Na altura, as autoridades de saúde pediram prudência aos franceses por causa do início das férias para muitos deles e devido à ponte que coincide com o feriado nacional de 14 de julho, em que se comemora a Tomada da Bastilha.

As autoridades de saúde francesas referiram também que nas últimas semanas se registou uma inversão na tendência do número de infeções, a qual tinha diminuído.

Quanto vale uma notícia? Contribua para o jornalismo económico independente

Quanto vale uma notícia para si? E várias? O ECO foi citado em meios internacionais como o New York Times e a Reuters por causa da notícia da suspensão de António Mexia e João Manso Neto na EDP, mas também foi o ECO a revelar a demissão de Mário Centeno e o acordo entre o Governo e os privados na TAP. E foi no ECO que leu, em primeira mão, a proposta de plano de recuperação económica de António Costa Silva.

O jornalismo faz-se, em primeiro lugar, de notícias. Isso exige investimento de capital dos acionistas, investimento comercial dos anunciantes, mas também de si, caro leitor. A sua contribuição individual é relevante.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Aeroportos franceses vão testar passageiros de países de risco

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião