PCP vai defender produção nacional no OE2021: “Precisamos de produzir daquilo que nos obrigaram a comprar lá fora”

  • Lusa
  • 12 Julho 2020

O Partido Comunista Português (PCP) vai defender o reforço da produção nacional nas negociações do próximo Orçamento do Estado com o Governo.

O secretário-geral do PCP afirmou este sábado que o reforço da produção nacional e a valorização do trabalho vão ser duas prioridades dos comunistas nas conversas com o Governo sobre o Orçamento do Estado para 2021.

“Precisamos de produzir daquilo que nos obrigaram a comprar lá fora. E é preciso a valorização do trabalho e dos trabalhadores”, disse Jerónimo de Sousa, antes de assistir a um espetáculo no Teatro Municipal Joaquim Benite, em Almada, no distrito de Setúbal.

Para o líder comunista, a pandemia de Covid-19 veio expor as fragilidades do país no domínio da produção nacional e dos direitos dos trabalhadores, mas também evidenciou a importância dos serviços públicos e de quem trabalha nas diferentes áreas de atividade.

“Nesta fase, se há a lição e ensinamento, foi verificar essa centralidade: o país não parou devido aos trabalhadores”, disse Jerónimo de Sousa, reafirmando a ideia de que “o trabalho tem que ser mesmo valorizado” e que essa valorização “é uma das medidas que têm que estar colocadas no Orçamento do Estado para 2021”.

Precisamos de produzir daquilo que nos obrigaram a comprar lá fora. E é preciso a valorização do trabalho e dos trabalhadores.

Jerónimo de Sousa

Secretário-geral do PCP

Quanto às infraestruturas e serviços públicos, Jerónimo de Sousa declarou que os problemas são conhecidos — e não só em relação ao Serviço Nacional de Saúde (SNS) –, pelo que considerou ser “necessário criar condições” para se ter “melhores infraestruturas e melhores serviços públicos”.

Questionado pelos jornalistas, o líder do PCP não quis responder sobre a expectativa dos comunistas para os encontros dos partidos de esquerda com o Governo, que deverão ter início na quarta-feira, tendo em vista a preparação do próximo Orçamento do Estado, reafirmando apenas que o PCP vai apresentar as suas propostas.

“É com esta disposição, estas propostas, no essencial, que iremos para o debate com o Governo”, afirmou Jerónimo de Sousa, admitindo que, até ao momento, ainda não houve nenhum contacto do PCP com o novo ministro das Finanças.

Quanto vale uma notícia? Contribua para o jornalismo económico independente

Quanto vale uma notícia para si? E várias? O ECO foi citado em meios internacionais como o New York Times e a Reuters por causa da notícia da suspensão de António Mexia e João Manso Neto na EDP, mas também foi o ECO a revelar a demissão de Mário Centeno e o acordo entre o Governo e os privados na TAP. E foi no ECO que leu, em primeira mão, a proposta de plano de recuperação económica de António Costa Silva.

O jornalismo faz-se, em primeiro lugar, de notícias. Isso exige investimento de capital dos acionistas, investimento comercial dos anunciantes, mas também de si, caro leitor. A sua contribuição individual é relevante.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

PCP vai defender produção nacional no OE2021: “Precisamos de produzir daquilo que nos obrigaram a comprar lá fora”

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião