COSEC quase duplica quota de mercado em seguros caução

  • ECO Seguros
  • 13 Julho 2020

A produção da companhia no segmento de seguro caução equivaleu a 54,3% de quota mercado em março. A empresa afirma que investimento e ação comercial permitiram quase duplicar a parte de um ano antes.

A COSEC – Companhia de Seguro de Créditos alcançou “um crescimento de 80% nos Seguros Caução durante o primeiro trimestre deste ano, comparativamente ao mesmo período do ano passado, num contexto em que este mercado registou um decréscimo de -35%,” anunciou a entidade sediada em Lisboa.

Referindo dados da Autoridade de Supervisão de Seguros e Fundos de Pensões (ASF), e considerando a produção em seguro caução, a quota de mercado da COSEC “é agora de 54,3%, em comparação com os 22,3% registados no primeiro trimestre de 2019” indica a seguradora participada pelo banco BPI e a Euler Hermes.

Estes dados são resultado do investimento que a COSEC vem fazendo no seu portefólio de soluções de Seguro Caução, através do lançamento de novos produtos, mostrando também um reforço da ação comercial que Companhia vem desenvolvendo e que lhe permite uma posição de liderança e credibilidade”, afirma Maria Celeste Hagatong, presidente do Conselho de Administração da COSEC.

As soluções de seguro caução da COSEC permitem às empresas nacionais “garantir o bom cumprimento das obrigações assumidas perante o beneficiário da caução. É um meio para, em situações em que há imposição legal ou regulamentar, assegurar garantia de proteção do beneficiário perante incumprimento contratual e/ou financeiro de um tomador”, explica a entidade em comunicado.

A liderança de mercado não se esgota nas cauções. Segundo anunciou em junho a companhia de seguros de crédito, no período compreendido entre março e maio deste ano, as operações aprovadas no âmbito da Linha de Seguros de Créditos de Curto Prazo para países fora da OCDE com garantia do Estado, sob gestão da Cosec, atingiram 50 milhões de euros, potenciando exportações de 229 milhões, cerca de 7% das exportações portuguesas de bens e serviços destinados a mercados fora da União Europeia.

Nesses três meses, o número de pedidos submetidos pelas empresas portuguesas a esta Linha aumentou cerca de 47% relativamente ao mesmo período de 2019, em consequência da redução dos níveis de cobertura por parte das companhias de seguros de créditos comerciais, decorrente do aumento de risco causado pela pandemia do COVID 19 e da subsequente crise económica.

“Apesar do aumento da procura, e com a totalidade das equipas em teletrabalho, foi possível à COSEC reduzir o prazo médio de decisão em cerca de 40%, para 5,8 dias úteis desde a entrada da candidatura, em coberturas até 1 milhão de euros, limite de competência de decisão atribuída à COSEC nesta Linha”, explica a instituição.

Constituída em 1969, a Cosec gere um sistema de seguro de créditos com garantia do Estado português (SCGE). Atualmente, a COSEC apoia 450 empresas, e tem riscos assumidos de cerca de 380 milhões. No primeiro trimestre do ano, a COSEC emitiu apólices a inúmeros setores de atividade, nomeadamente, para a indústria farmacêutica, construção, energia e combustíveis.

Quanto vale uma notícia? Contribua para o jornalismo económico independente

Quanto vale uma notícia para si? E várias? O ECO foi citado em meios internacionais como o New York Times e a Reuters por causa da notícia da suspensão de António Mexia e João Manso Neto na EDP, mas também foi o ECO a revelar a demissão de Mário Centeno e o acordo entre o Governo e os privados na TAP. E foi no ECO que leu, em primeira mão, a proposta de plano de recuperação económica de António Costa Silva.

O jornalismo faz-se, em primeiro lugar, de notícias. Isso exige investimento de capital dos acionistas, investimento comercial dos anunciantes, mas também de si, caro leitor. A sua contribuição individual é relevante.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

COSEC quase duplica quota de mercado em seguros caução

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião