CMVM suspende ações do Benfica com Vieira e SAD arguidos

O regulador do mercado de capitais decidiu avançar com a suspensão da negociação das ações, mas também das obrigações, da SAD encarnada.

A Comissão do Mercado de Valores Mobiliários (CMVM) decidiu avançar com a suspensão da negociação das ações, mas também das obrigações, da SAD encarnada. Está a aguardar a divulgação de informação relevante para o mercado, isto no dia em que é avançado que Luís Filipe Vieira e a própria SAD foram constituídos arguidos.

O Conselho de Administração da CMVM “deliberou a suspensão da negociação das ações Sport Lisboa e Benfica – Futebol SAD e outros instrumentos relacionados, aguardando a divulgação de informação relevante ao mercado”, refere o regulador em comunicado.

A CMVM não explica qual o motivo. Contudo, esta decisão surge depois de ter sido conformada pela Procuradoria-Geral da República (PGR) a constituição de três arguidos, uma pessoa singular e duas coletivas, por fraude fiscal no âmbito da operação “saco azul”, que envolve o Benfica.

De acordo com A Bola, e já confirmado pelo ECO, o presidente do Benfica, Luís Filipe Vieira, é um dos arguidos nesta investigação, como responsável pela SAD, assim como a própria sociedade desportiva e a Benfica Estádio.

“No âmbito deste inquérito foram, ontem [na segunda-feira], constituídos três arguidos, uma pessoa singular e duas coletivas”, disse a PGR. O jornal desportivo acrescentou que esta terça-feira será ouvido, entre outros, o administrador financeiro da SAD, Domingos Soares de Oliveira.

A investigação da Autoridade Tributária (AT) remonta a 2018, quando foram feitas buscas às instalações “encarnadas”, por suspeitas da emissão de faturas de serviços fictícios de uma empresa informática, que o Benfica pagou. Em causa estarão 1,8 milhões de euros que terão sido pagos pelas sociedades encarnadas, durante seis meses, para pagar serviços que não foram prestados.

(Notícia atualizada às 14h56 com mais informação)

Quanto vale uma notícia? Contribua para o jornalismo económico independente

Quanto vale uma notícia para si? E várias? O ECO foi citado em meios internacionais como o New York Times e a Reuters por causa da notícia da suspensão de António Mexia e João Manso Neto na EDP, mas também foi o ECO a revelar a demissão de Mário Centeno e o acordo entre o Governo e os privados na TAP. E foi no ECO que leu, em primeira mão, a proposta de plano de recuperação económica de António Costa Silva.

O jornalismo faz-se, em primeiro lugar, de notícias. Isso exige investimento de capital dos acionistas, investimento comercial dos anunciantes, mas também de si, caro leitor. A sua contribuição individual é relevante.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

CMVM suspende ações do Benfica com Vieira e SAD arguidos

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião