Maior parte dos negócios na bolsa realizados fora da Euronext Lisboa

A CMVM alerta que a "dispersão da negociação para plataformas situadas em outras jurisdições coloca naturalmente dificuldades acrescidas à supervisão".

Há “condições de liquidez cada vez “mais favoráveis” no mercado de capitais português, mas nem todo o dinheiro investido na bolsa nacional passa pela Euronext Lisboa. É uma realidade que já vem de trás, mas a Comissão do Mercado de Valores Mobiliários (CMVM) alerta que esta situação, que se regista na grande maioria das cotadas do PSI-20, traz “dificuldades acrescidas à supervisão”.

O mercado regulamentado, gerido pela Euronext, até “viu aumentada a sua importância relativa na negociação de ações domiciliadas em Portugal, em oposição ao verificado na negociação realizada em mercado de balcão”, começa por dizer a CMVM. Contudo, o seu peso continua a ser diminuto no total dos negócios realizados na bolsa de Lisboa. A Euronext passou a representar ligeiramente mais de 30% dos negócios, mas contra 45% das operações feitas em mercado de balcão (OTC).

"Aumento da dispersão da negociação para plataformas situadas em outras jurisdições coloca naturalmente dificuldades acrescidas à supervisão.”

Gabriela Figueiredo Dias

Presidente da CMVM

“Entre os 18 títulos que integram o índice PSI-20 no final do ano, dez apresentam um incremento do indicador de fragmentação”, que revela o peso do mercado regulamentado Euronext Lisboa na negociação, com os maiores aumentos a ocorrerem “na Corticeira Amorim, na Ibersol e na Sonae Capital”, nota a CMVM. Mas continua a ser reduzido, com a generalidade das cotadas a ver a sua liquidez vir fora de mercado regulamentado.

Com exceção da Pharol e da Ramada, a maior parte da atividade de negociação dos títulos do PSI 20 aconteceu fora da Euronext Lisboa em 2019“, nota o supervisor, liderado por Gabriela Figueiredo Dias, salientando, no entanto, que “esta evolução não difere substancialmente da verificada em outros mercados desenvolvidos”.

Recordando que o peso da negociação feita em mercado regulamentado no total da negociação é baixo, mantendo-se aquém do registado antes da crise de 2008, a CMVM alerta que o “aumento da dispersão da negociação para plataformas situadas em outras jurisdições coloca naturalmente dificuldades acrescidas à supervisão”.

Quanto vale uma notícia? Contribua para o jornalismo económico independente

Quanto vale uma notícia para si? E várias? O ECO foi citado em meios internacionais como o New York Times e a Reuters por causa da notícia da suspensão de António Mexia e João Manso Neto na EDP, mas também foi o ECO a revelar a demissão de Mário Centeno e o acordo entre o Governo e os privados na TAP. E foi no ECO que leu, em primeira mão, a proposta de plano de recuperação económica de António Costa Silva.

O jornalismo faz-se, em primeiro lugar, de notícias. Isso exige investimento de capital dos acionistas, investimento comercial dos anunciantes, mas também de si, caro leitor. A sua contribuição individual é relevante.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Maior parte dos negócios na bolsa realizados fora da Euronext Lisboa

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião