Com menos lucros e Covid-19, só metade cotadas em Portugal pagam dividendos

Lucros anuais das empresas cotadas na Euronext Lisbon caíram 13% em 2019 face ao ano anterior. Do total, 71% foram distribuídos pelos acionistas, ou seja, serão pagos 2.220 milhões de euros.

A distribuição de dividendos foi penalizada, este ano, por uma quebra nos lucros das empresas e pela pressão gerada pela pandemia. É esta a conclusão da Comissão do Mercado de Valores Mobiliários (CMVM) no Relatório sobre os Mercados de Valores Mobiliários relativo a 2019. Menos de metade das cotadas em Portugal vai distribuir dividendos.

A diminuição dos lucros em 2019 e o pessimismo quanto à recuperação da economia no período pós-pandemia Covid-19 conduziram a uma diminuição dos dividendos distribuídos aos acionistas“, aponta o supervisor no relatório que faz o retrato ao setor.

Os lucros anuais das empresas admitidas à cotação na Euronext Lisbon caíram 13% em 2019 face ao ano anterior. Destes resultados, 71% foram distribuídos pelos acionistas (contra 73% em 2018), num total de 2.220 milhões de euros.

“Menos de metade das sociedades cotadas distribuirão em 2020 dividendos relativos ao exercício económico de 2019, o que acontecerá por duas ordens de razões: por um lado, o montante de lucros obtidos caiu em relação ao ano anterior; por outro lado, o choque gerado pela pandemia inverteu o ciclo económico”, explica.

A própria CMVM tinha alertada as cotadas para que tivessem prudência na remuneração dos acionistas e que fossem transparentes na informação disponibilizadas aos acionistas em relação ao impacto da pandemia nas contas.

Revela agora que a recomendação está a surtir efeito já que “neste contexto, algumas empresas decidiram reforçar os capitais próprios e assim contribuir para o financiamento da respetiva atividade em situação de crise“. No entanto, a estratégia traduz-se não só num payout ratio como também num dividend yield inferiores aos verificados no ano anterior, embora elevados.

Lucros obtidos e distribuídos pelas cotadas em Portugal

CMVM pede às cotadas que usem lucros para reforçar capitais próprios

A quebra na remuneração acionista levou igualmente a um ligeiro aumento na proporção de lucros retidos para autofinanciamento. A CMVM considera, no entanto, que dada a situação de crise, os constrangimentos ao financiamento em mercado e a elevada dependência da banca, as cotadas deviam reforçar ainda mais os capitais próprios.

“Sendo conhecidos os níveis de endividamento de muitas empresas, que se refletem no aumento de risco, nas notações de risco atribuídas e nas condições de acesso aos mercados financeiros, seria importante que as empresas mais endividadas reforçassem os capitais próprios através da retenção de lucros pois a insuficiência de capitais próprios é uma forte limitação à capacidade de investimento e à expansão”, diz.

Os efeitos negativos da Covid-19 tornam-se essa necessidade mais clara, segundo o supervisor liderado por Gabriela Figueiredo Dias. Alerta que “expectável” que a performance financeira das empresas sofra um forte impacto pelo menos em 2020, “o que poderá dificultar ainda mais o seu financiamento” através do mercado de capitais. “É, pois, expectável que o investimento empresarial continue assente sobretudo no recurso ao crédito bancário e no autofinanciamento”, aponta.

Quanto vale uma notícia? Contribua para o jornalismo económico independente

Quanto vale uma notícia para si? E várias? O ECO foi citado em meios internacionais como o New York Times e a Reuters por causa da notícia da suspensão de António Mexia e João Manso Neto na EDP, mas também foi o ECO a revelar a demissão de Mário Centeno e o acordo entre o Governo e os privados na TAP. E foi no ECO que leu, em primeira mão, a proposta de plano de recuperação económica de António Costa Silva.

O jornalismo faz-se, em primeiro lugar, de notícias. Isso exige investimento de capital dos acionistas, investimento comercial dos anunciantes, mas também de si, caro leitor. A sua contribuição individual é relevante.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Com menos lucros e Covid-19, só metade cotadas em Portugal pagam dividendos

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião