Aviva Plc vende 76% da Friends Provident International a uma filial do IFGL

  • ECO Seguros
  • 27 Julho 2020

A transação foi concluída pelo equivalente a 284,7 milhões de euros, ficando cerca de 19% do montante acordado para recebimento em data futura.

A Aviva Plc concluiu a venda de 76% do capital acionista da Friends Provident International Limited (FPIL) à holding RL360, uma subsidiária do International Financial Group Limited (IFGL), anunciou a seguradora britânica em comunicado.

A transação foi encerrada por um valor total de 259 milhões de libras esterlinas (cerca de 284,7 milhões de euros ao câmbio corrente), dos quais 209 milhões de libras a pronto e os restantes 50 milhões em pagamento diferido, igualmente em numerário.

À luz dos requisitos de Solvência II, a transação terá impacto mínimo no capital da Aviva e efeito igualmente pouco significativo no balanço, em termos das normas IFRS, explica o grupo agora liderado por Amanda Blanc.

Dado que a companhia vendedora irá manter uma participação minoritária na participada foi assinado um acordo adicional definindo compromissos e obrigações das partes. Neste sentido, a “FPIL continuará a servir clientes, parceiros e intermediários como habitualmente” não se prevendo qualquer alteração na política de clientes em resultado da transação anunciada, complementa o comunicado.

Os termos da transação concretizada modificam um anúncio anterior em que a Aviva indicava intenção de alienar a totalidade do capital. Anteriormente, a Aviva havia anunciado a venda de 100% na FPIL à RL360 por um valor total de 340 milhões de libras esterlinas, recorda o comunicado do grupo britânico.

Em 2019, a FPIL obteve 128 milhões de libras de lucro operacional (cerca de 140,4 milhões de euros a taxas de câmbio corrente) enquanto o lucro líquido totalizou 2,5 milhões de libras esterlinas, sob peso de amortizações.

Quanto vale uma notícia? Contribua para o jornalismo económico independente

Quanto vale uma notícia para si? E várias? O ECO foi citado em meios internacionais como o New York Times e a Reuters por causa da notícia da suspensão de António Mexia e João Manso Neto na EDP, mas também foi o ECO a revelar a demissão de Mário Centeno e o acordo entre o Governo e os privados na TAP. E foi no ECO que leu, em primeira mão, a proposta de plano de recuperação económica de António Costa Silva.

O jornalismo faz-se, em primeiro lugar, de notícias. Isso exige investimento de capital dos acionistas, investimento comercial dos anunciantes, mas também de si, caro leitor. A sua contribuição individual é relevante.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Aviva Plc vende 76% da Friends Provident International a uma filial do IFGL

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião