Sem mexer nos juros, Fed deverá continuar pronta a apoiar a economia dos EUA

  • Lusa e ECO
  • 28 Julho 2020

Não se espera qualquer anúncio específico, devendo a Fed reafirmar que está pronta a recorrer a todas as medidas necessárias para apoiar a economia norte-americana.

A Reserva Federal (Fed) iniciou esta terça-feira uma reunião de política monetária, em que vai analisar a situação económica nos Estados Unidos, num contexto de novas restrições após um ressurgimento de casos de covid-19.

A reunião ordinária do banco central norte-americano, que dura até quarta-feira, “começou às 10h00 como previsto” (15h00 em Lisboa), disse à Agência France-Presse (AFP) uma porta-voz da Fed.

Segundo a AFP, não se espera qualquer anúncio específico, devendo a Fed reafirmar que está pronta a recorrer a todas as medidas necessárias para apoiar a economia norte-americana. As taxas de juro estão atualmente entre 0 e 0,25%, depois das reduções de março, quando foram adotadas medidas de maior confinamento no país.

“A deterioração da condição de saúde pública nos EUA está a tornar incerto o crescimento económico. A Fed provavelmente não tomará medidas na sua próxima reunião, mas deve enfatizar os riscos persistentes que pesam sobre a economia e reiterar sua capacidade para fazer mais, se necessário”, diz Franck Dixmier, Global CIO Fixed Income da Allianz Global Investors.

A instituição deu a entender várias vezes que seriam mantidas a esse nível até a economia norte-americana sair da crise e responsáveis do banco central já disseram que não consideram que taxas negativas sejam adequadas aos Estados Unidos.

A Fed também anunciou que vai prolongar por três meses, até 31 de dezembro, vários programas de empréstimos para apoiar empresas e comunidades a enfrentar a crise. Na anterior reunião, no início de junho, a Fed mostrou um otimismo prudente quanto a uma progressiva recuperação económica no segundo semestre do ano.

Quanto vale uma notícia? Contribua para o jornalismo económico independente

Quanto vale uma notícia para si? E várias? O ECO foi citado em meios internacionais como o New York Times e a Reuters por causa da notícia da suspensão de António Mexia e João Manso Neto na EDP, mas também foi o ECO a revelar a demissão de Mário Centeno e o acordo entre o Governo e os privados na TAP. E foi no ECO que leu, em primeira mão, a proposta de plano de recuperação económica de António Costa Silva.

O jornalismo faz-se, em primeiro lugar, de notícias. Isso exige investimento de capital dos acionistas, investimento comercial dos anunciantes, mas também de si, caro leitor. A sua contribuição individual é relevante.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Sem mexer nos juros, Fed deverá continuar pronta a apoiar a economia dos EUA

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião